Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Vivara arrecada R$ 2,3 bilhões em IPO

De toda a movimentação com venda de ações da Vivara na B3, R$ 453,5 milhões serão utilizados para a expansão da rede, que tem 2,3 mil pontos de venda

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2019 | 21h26
Atualizado 09 de outubro de 2019 | 11h03

A abertura de capital da rede de joalherias Vivara, que chamou a atenção de investidores ao longo das últimas semanas, se refletiu em uma movimentação de quase R$ 2,3 bilhões.

A ação, que estreia na B3 nesta quinta-feira, 10, chegou perto do ponto máximo da faixa indicativa de preço, que variava entre R$ 21,17 e R$ 25,40. O papel vai estrear cotado a R$ 24. 

A Vivara foi criada em 1962, com a abertura de uma loja no centro de São Paulo. Hoje, é a maior rede de joalherias do Brasil, com mais de 230 pontos de venda. A companhia atua em um nicho classificado por especialistas em marcas como “luxo acessível”.

Lojas e aquisições

Do total arrecadado, R$ 453,5 milhões são oriundos da oferta primária, com a venda de novas ações, e servirá para injetar recursos no caixa da companhia. Dessa oferta primária, 65% devem ser usados para abertura de lojas.

A rede, durante o período de apresentação de sua tese de investimento, citou que poderia também fazer pequenas aquisições pelo País, uma vez que o segmento de joalheiras ainda é bastante pulverizado. 

Da oferta secundária, que representa a maior parte dos recursos da oferta inicial, a venda foi feita pela família fundadora, os Kaufmans. O pagamento aos acionistas vai superar o total de R$ 1,8 bilhão. 

O lucro líquido da Vivara no primeiro semestre foi de R$ 186 milhões, aumento de 142% ante o mesmo período de 2018. A receita foi de R$ 523,7 milhões, alta de 12,8% em um ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.