Divulgação
Divulgação

Vivo pede uso do celular com moderação

Campanha da empresa abre debate sobre uso excessivo da sua própria tecnologia

Marina Gazzoni, O Estado de S. Paulo

13 de julho de 2015 | 03h00

De simples aparelho para fazer e receber ligações, o celular se transformou nos últimos anos em um dispositivo multiuso, que manda mensagens a grupos de amigos, dá orientações sobre o trânsito e mostra as notícias do dia. As novas funcionalidades do aparelho acirraram a competição entre as operadoras brasileiras, que lançaram uma enxurrada de serviços e promoções convidando o cliente a falar “ilimitado” e ficar “sempre conectado”. A Vivo decidiu agora ir na contramão. Em campanha que vai ao ar nesta semana, a empresa pede uma reflexão sobre o uso excessivo do celular. 

“Será que a gente está usando o celular do jeito certo?”, indaga o narrador no vídeo, feito pela agência DM9DDB. O filme traz uma sequência de situações nas quais o uso do telefone é questionável: no trânsito, andando na rua, em reuniões de amigos e na mão de crianças. “O que é certo? O que é errado? Vamos falar sobre isso”, convida o narrador.

A decisão da Vivo de entrar no debate ocorre após a divulgação de uma série de pesquisas que apontam os problemas que a tecnologia pode provocar na sociedade. Uma pesquisa da Associação Brasileira de Medicina do Tráfego, por exemplo, demonstra que dirigir e enviar mensagens aumenta em 23 vezes a chance de acidentes. Há também crescentes discussões sobre uma espécie de obsessão pelo celular que faz com que as pessoas deixem de viver o mundo offline. 

“Como empresa líder no mercado de telefonia, não podemos fingir que este debate não está acontecendo. A tecnologia pode, sim, ser prejudicial ao consumidor se usada da forma incorreta”, disse a diretora de Imagem e Comunicação da Vivo, Cris Duclos. 

A Vivo começou a testar o assunto no início do ano nas redes sociais com a hashtag “usarbempegabem”, dando nova vida ao slogan “pegabem” criado pela empresa para destacar a qualidade do sinal. De acordo com o vice-presidente de criação da DM9DDB, Marco Versolato, a boa aceitação do público motivou a empresa a ampliar a campanha. Além do vídeo, a Vivo vai criar um site para oferecer conteúdo sobre o tema, como transmissões de palestras de especialistas.

Questionado se não é incoerente uma empresa de telefonia lançar uma campanha pedindo o uso moderado do celular, Versolato diz que não. “Isso é uma maturidade da comunicação de uma marca. O que se espera é que ela fale bem do seu produto e ignore o lado sombrio da tecnologia. Mas em tempos de redes sociais e informação disseminada, não dá mais para fazer isso. Tem de ser uma conversa franca.”

Ao entrar num debate polêmico sobre o próprio negócio, a Vivo busca melhorar sua reputação com os consumidores, afirmou o diretor acadêmico de Graduação da ESPM, Ismael Rocha. “Hoje tecnologia virou commodity. Há pouca diferença nos pacotes das operadoras. A decisão de compra será cada vez mais pela marca.”

Rocha lembrou que a criação de campanhas que pedem o uso moderado do próprio produto já são recursos recorrentes na indústria de bebidas e nas distribuidoras de água e energia elétrica. A Associação Brasileira de Bebidas (Abrabe) mantém um portal batizado de “Sem Excesso” desde 2011 com informações sobre os danos provocados pelo consumo excessivo de álcool à saúde e sociedade. “A indústria visa o lucro e é claro que quer vender o seu produto. Mas defendemos o consumo comemorativo, responsável. Não é bom para a indústria ter o produto associado a problemas gerados pelo excesso”, disse a diretora executiva da Abrabe, Naíde Araújo.

Tudo o que sabemos sobre:
vivomarketingtelefoniapublicidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.