''Vocês são a crise'', dizem manifestantes em Davos

Protestos são reprimidos com violência em Genebra

Jamil Chade, GENEBRA, O Estadao de S.Paulo

31 de janeiro de 2009 | 00h00

A polícia suíça reprimiu ontem com violência, gás lacrimogêneo e tanques de água centenas de manifestantes em Genebra que protestavam contra o Fórum Econômico de Davos e a crise. Os manifestantes acusavam os participantes do prestigioso encontro nos Alpes de serem os responsáveis pela recessão mundial. "Vocês (participantes do Fórum) são a crise", afirmava um comunicado distribuído pelos ativistas em Genebra.Em Genebra, a polícia informou que cerca de 60 pessoas foram detidas, mas liberadas no início da noite. O governo optou por proibir manifestações, que começam a se espalhar por toda a Europa.Na quinta-feira, mais de um milhão de franceses saíram às ruas. "A crise foram eles que geraram. O impacto somos nós que pagamos. E, além disso, não podemos nem protestar", acusou Eric Decarro do sindicato Solidarités, um dos organizadores do protesto. Segundo o manifestante, é a primeira vez que um protesto é proibido na Suíça em 35 anos. Em Davos, cerca de cem manifestantes também tomaram as ruas, jogando bolas de neve contra a segurança. Alguns atiraram sapatos contra o centro onde ocorre o Fórum, repetindo o ato de desespero de um jornalista iraquiano que atirou seus sapatos contra o então presidente dos Estados Unidos, George W. Bush. Na Rússia, o dia também foi de protestos contra a política econômica do governo do primeiro-ministro Vladimir Putin. Líderes de oposição tentaram organizar manifestações em todo o país. Mas alguns, como Eduard Limonov, foram presos. A polícia foi obrigada a intervir e dispersar as manifestações. Na Rússia, a economia entrará em sua primeira recessão em anos em 2009.Ja os atos pró Putin foram todos autorizados e, em alguns deles, soldados do exército foram convocados para ajudar a servir chá para os participantes se esquentarem de um frio de 14 graus negativos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.