Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Volatilidade dá tom aos mercados

Bolsas aqui e em Nova York operam em meio a temores do efeito da crise do crédito sobre a economia dos EUA

Claudia Violante, Paula Laier e Denise Abarca, O Estadao de S.Paulo

17 de novembro de 2007 | 00h00

As bolsas aqui e em Nova York operaram ontem sem rumo definido. As tentativas de recuperação ao longo do dia não vingaram, já que continuam pesando sobre os negócios os temores com os efeitos da crise do crédito sobre o resultado dos bancos e o potencial estrago que estes podem causar sobre a economia dos EUA. Estimativas de perdas contábeis do UBS e do Barclays e os discursos pessimistas de dirigentes do Fed em relação a um novo corte de juro adicionaram incerteza. O Ibovespa recuou 0,03%, para 64.609,4 pontos. O dólar fechou em alta, ajustando-se ao comportamento negativo dos mercados em Nova York anteontem, quando no Brasil era feriado nacional e os mercados não abriram. A moeda avançou 0,75%, a R$ 1,747 no balcão, e 0,72% na BM&F, a R$ 1,746. Os juros também subiram e o contrato para janeiro de 2010 encerrou a 11,88%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.