bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Volatilidade deve continuar até eleição, diz Fitch

O diretor para finanças públicas da agência de classificação de risco Fitch, Richard Fox, disse que o aumento do nervosismo no mercado em relação ao Brasil por causa da eleição presidencial já era um fato esperado e que o clima de volatilidade deve continuar até outubro. Segundo ele, o atual quadro político brasileiro gera muitas incertezas neste momento. "O fato das últimas pesquisas mostrarem um crescimento da candidatura de Lula está gerando uma certa surpresa", disse Fox. "Isso sugere que havia uma expectativa que o nome de José Serra, ao se tornar mais conhecido junto ao eleitorado, deveria ser o que deveria estar subindo mais neste momento." Segundo ele, esse cenário atual pode estar sendo interpretado pelo mercado como um sinal de "que Lula, dessa vez, terá mais chances de vencer a eleição do que no passado". Fox observou que o sentimento do mercado em relação ao Brasil é caracterizado por fortes mudanças. "Além da questão política, há o impacto da elevação inflacionária, que torna menos provável a redução dos juros e a retomada de um maior crescimento econômico", disse. "Além disso, mantemos a preocupação com o lado fiscal pois o governo deveria ter sido mais ambicioso no ajuste." Fox salientou que os ratings soberanos do Brasil, que permanecem sob "perspectiva negativa´ não serão afetados pela turbulência dos últimos dias.

Agencia Estado,

03 de maio de 2002 | 08h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.