Reuters
Reuters

Volkswagen deve iniciar recall em janeiro

Em entrevista a um jornal alemão, presidente da montadora disse que o programa vai durar até o fim de 2016

O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2015 | 02h01

O presidente executivo da Volkswagen, Matthias Müller, disse em uma entrevista a um jornal alemão que a companhia vai iniciar em janeiro um recall dos carros afetados pela fraude de testes de emissão de poluentes promovida pela empresa. O programa vai durar até o final de 2016. "Se tudo ocorrer de acordo com o plano, nós poderemos começar o recall em janeiro. Todos os carros deverão ser consertados até o final de 2016", disse Müller ao Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ). O jornal forneceu uma cópia da entrevista antes da publicação nesta quarta-feira.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
'Esta crise nos dá uma oportunidade para modernizar as estruturas da Volkswagen' - Matthias Müller, presidente da Volkswagen
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Müller disse ao FAZ acreditar que apenas alguns empregados estão envolvidos na fraude que envolveu manipulação de testes de emissão de poluentes de motores a diesel. Ele refutou a tese de que seu predecessor, o detalhista Martin Winterkorn, tinha de ter conhecimento sobre a fraude.

O novo presidente da Volkswagen disse que a companhia terá de ficar menor e menos centralizada, acrescentando que todo modelo e marca do grupo será avaliado para determinar sua contribuição para a companhia.

Mas ele disse que uma "evolução", e não uma "revolução", será necessária para que a companhia se recupere, prevendo que o grupo poderá "brilhar de novo" em dois a três anos.

"Esta crise nos dá uma oportunidade para modernizar as estruturas da Volkswagen", disse Müller. "Nós queremos fazer uma companhia menor, mais descentralizada e dar às marcas mais responsabilidade."

Müller rejeitou a sugestão de que a Volkswagen informou aos mercados financeiros tarde demais sobre os problemas, apesar de ter informado sobre a descoberta da fraude a autoridades da Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA, na sigla em inglês) semanas antes de tornar o fato público.

Ontem, executivos da montadora afirmaram em um encontro com trabalhadores que a Volkswagen colocará todos os seus projetos e investimentos que não forem essenciais em revisão, enquanto lida com o escândalo de fraude em emissões de poluentes, afirmaram ontem dirigentes da montadora. Por ora, segundo eles, os empregos não estão em jogo. Mas os bônus do dirigentes serão cortados. / Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.