Volume de cheques devolvidos sobe 0,9% em julho

O volume de cheques devolvidos no Brasil apresentou aumento de 0,9% em julho, na comparação com o mês de junho. Em relação a julho de 2003, houve queda de 14,9%. A informação foi divulgada hoje pela Telecheque, empresa especializada na gestão de risco e concessão de crédito. Do total de transações com cheques em reais, a inadimplência foi de 2,12% no mês passado, ante 2,10% em junho e 2,49% em julho do ano anterior, quando a inadimplência foi 22% superior à verificada em junho. Segundo o vice-presidente da Telecheque, José Antônio Praxedes Neto, apesar do aumento da inadimplência entre junho e julho de 2004, os números levam a uma "visão mais positiva para os índices deste segundo semestre", que estaria sendo reforçada com a constatação de que a inadimplência caiu, na comparação com julho de 2003, e pela melhora dos indicadores de emprego formal anunciados recentemente.No ranking dos Estados com maiores devoluções de cheques no mês passado, os piores índices foram apurados no Rio Grande do Norte (4,4%) e na Paraíba (3,38%). Os melhores índices foram apurados em Santa Catarina (1,35%), Paraná (1,37%), Goiás (1,66%) e Rio Grande do Sul (1,58%).A Telecheque destacou que a surpresa da pesquisa de julho ficou por conta do Estado de São Paulo, que em junho era o sétimo colocado em inadimplência, mas que já aparece na terceira posição, com índice de cheques devolvidos de 3,03%, maior 16,9% na comparação com junho. No Estado do Rio de Janeiro, a inadimplência com cheques em julho atingiu 1,96%, número superior ao verificado em Minas Gerais (1,89%).De acordo com a pesquisa Índice de Bons Pagadores da Telecheque, 97,31% das transações com cheques no País foram honradas no mês passado. Este índice ficou no mesmo patamar do registrado em junho e 0,6% superior ao de julho de 2003. A pesquisa aponta ainda que o participação dos cheques à vista foi de 32,8%, contra 67,2% de cheques pré-datados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.