Volume de crédito cresce em junho

Números do Banco Central (BC) revelam aumento no volume de crédito oferecido pelos bancos. A operação que mais cresceu foi a destinada às pessoas físicas. A variação de maio para junho foi de 3,4% de crescimento, chegando a 4,7% no caso do crédito pessoal. Já no financiamento de veículos, o saldo verificado pelo BC ao final de junho junto aos bancos foi de R$ 9,416 bilhões.Em relação às taxas, o estudo do BC revelou que a taxa de juros geral cobrada pelos bancos de seus clientes estava em 56,5% ao ano. Para a pessoa física a taxa estava em 76,5% ao ano, sendo de 162,5% a taxa média ao ano cobrada pelas instituições financeiras no cheque especial e de 38,5% ao ano a taxa dos empréstimos para as pessoas jurídicas. No caso de financiamento de veículos, a taxa média é de 36,2% ao ano. Nova metodologia de cálculo Se pudessem ser comparadas, tanto os juros da pessoa física e do cheque especial seriam maiores que as de maio, com queda apenas na pessoa jurídica. A diferença, segundo o BC, se deve justamente à mudança na metodologia de cálculo, que toma por base a média ponderada pelo fluxo dos empréstimos concedidos. Isso significa que determinada instituição financeira passou a ter um peso diferente, dependendo do volume de crédito que empresta. Na metodologia antiga, o cálculo era por uma média aritmética simples, o que colocava um banco pequeno, com poucas operações, com o mesmo peso de um banco grande, com grande volume de empréstimo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.