Volume de crédito deve continuar em expansão

O volume de crédito total ao setor privado no Brasil deve continuar em expansão, de acordo com a segunda edição do boletim "Visão do Desenvolvimento", do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES). O texto da publicação, de autoria do superintendente da Secretaria de Assuntos Econômicos do Banco, Ernani Teixeira Torres Filho, destaca "o quadro externo favorável", a queda da dívida externa e do Risco Brasil nos últimos anos e a tendência de continuidade de redução desses dois indicadores. "A fragilidade externa, que foi o principal determinante da volatilidade do crédito no passado, foi substancialmente reduzida", diz o texto. A inflação sob controle e a perspectiva de queda da taxa de juros também devem aumentar o volume de crédito.Segundo o boletim, o volume de crédito no Brasil - excluindo o habitacional - está em quase 30%, seu nível mais alto pelo menos desde 1988. Incluindo esse segmento, o crédito total ficou em 31% do Produto Interno Bruto (PIB) em maio, o maior desde 1995. Mas isso porque em 1995, créditos podres do Sistema Financeiro Habitacional inchavam a conta, segundo argumento de Torres Filho, no boletim. Ele observa que a transferência de operações inadimplentes do Sistema Financeiro Nacional da Caixa Econômica Federal para o Tesouro Nacional apenas entre maio e junho de 2001 provocou ma redução de 4,4% para 1,9% do PIB no estoque de crédito à habitação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.