Volume de falências decretadas cresce 30% em julho, apura Serasa

Levantamento divulgado nesta quarta-feira pela Serasa aponta que o volume de falências decretadas registrou crescimento de 30% em julho na comparação com o mesmo mês do ano passado. Neste mês, foram decretadas 347 falências, enquanto no mesmo período de 2004 a Serasa registrou 267 falências decretadas. O número de falências requeridas também registrou alta (7,8%), alcançando 776 pedidos em julho, ante 720 no mesmo mês de 2004.Segundo avaliação dos técnicos da Serasa, o aumento verificado tanto no número de falências decretadas quanto no de requeridas é conseqüência da desaceleração da atividade econômica, decorrente das altas taxas de juros e do maior endividamento das empresas. A previsão já havia sido feita pela empresa de análise de crédito nos últimos meses, com base nos resultados do Indicador Serasa de Inadimplência de Pessoa Jurídica, que aponta a dificuldade de pagamento de dívidas pelas empresas.Os deferimentos de concordatas, por sua vez, apresentaram queda de 7,9% em julho em relação ao mesmo mês do ano passado, totalizando 35 casos, ante 38 em 2004. Segundo análise da Serasa, o resultado está associado à entrada em vigor da Nova Lei de Falências, que prevê a substituição da concordata pela recuperação judicial ou extrajudicial. Em julho, a empresa registrou 12 pedidos de recuperação judicial e nenhum pedido de recuperação extrajudicial.A Serasa informou ainda que, no acumulado do ano, o volume de falências decretadas apresentou queda de 4,4% na comparação com os primeiros sete meses de 2004 (2.487 em 2005, contra 2.602 em 2004), diminuição de 23,3% no número de falências requeridas (6.310 em 2005 contra 8.229 em 2004) e decréscimo de 21,2% no volume de concordatas deferidas (208 em 2005 contra 264 em 2004). Desde a entrada em vigor da Nova Lei de Falências, a Serasa registrou 18 solicitações de recuperação judicial de empresas e nenhum pedido de recuperação extrajudicial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.