Estadão
Estadão

Volume de subsídios do FGTS bate recorde e alcança R$ 10,5 bi em 2015 

Expectativa é que montante em 2016 seja ainda maior, já que neste ano o FGTS vai repassar mais R$ 4,8 bilhões ao Minha Casa Minha Vida para bancar as construções da faixa 1

Murilo Rodrigues Alves, O Estado de S.Paulo

20 Julho 2016 | 16h34

BRASÍLIA - Os subsídios com dinheiro do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) alcançaram R$ 10,5 bilhões em 2015, o maior volume da história. 

Em 2015, pela primeira vez na história, o FGTS colocou dinheiro a fundo perdido para bancar a construção das moradias da faixa 1 do Minha Casa Minha Vida, que beneficia famílias com renda de até R$ 1,8 mil. Ao todo, foram repassados R$ 3,3 bilhões no ano passado

A utilização dos recursos do fundo no Minha Casa se restringia ao financiamento, com descontos e juros mais baixos, das moradias das faixas 2 e 3 do programa de habitação popular. Nesses casos, o Tesouro banca uma pequena parte dos subsídios. 

O FGTS é formado com os 8% que são descontados todo mês dos salários dos trabalhadores brasileiros. No ano passado, o fundo teve lucro de R$ 13,3 bilhões, ligeiramente superior ao verificado no ano anterior (R$ 12,9 bilhões). O relatório de gestão do FGTS foi aprovado nesta quarta-feira, 20, em reunião do conselho curador do FGTS. O órgão reúne representantes dos sindicatos e de associações patronais e indicados do governo. 

A expectativa é que o volume de subsídios em 2016 seja ainda maior, tendo em vista que neste ano o FGTS vai repassar mais R$ 4,8 bilhões ao Minha Casa para bancar as construções da faixa 1. 

De acordo com os números divulgados pelo Ministério do Trabalho, R$ 65 bilhões foram destinados à habitação, o que representa 91% do orçado para a área. Os desembolsos em saneamento ficaram em R$ 2,5 bilhões, a metade do que foi programado e os aportes em infraestrutura urbana se restringiram a apenas R$ 800 milhões, 9% do que foi aprovado para o segmento. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.