Vórtx acelera passo na corrida por escala
Conteúdo Patrocinado

Vórtx acelera passo na corrida por escala

Prestadora de serviços de infraestrutura para o mercado de capitais investe para ganhar musculatura e já olha para futura IPO

Vórtx, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

18 de agosto de 2021 | 07h30

Uma plataforma movimentar R$ 443 bilhões em negócios em apenas cinco anos de atividade pode parecer muito, mas é relativamente pouco perto do potencial do mercado que explora e das pretensões da companhia. Atuando como fornecedora de infraestrutura para o mercado de capitais, que só agora se desenvolve com mais força no Brasil, a Vórtx planeja ir muito além e movimentar recursos na casa dos trilhões. A entrada no mercado de fundos líquidos, que tem R$ 6,4 trilhões investidos, é um passo importante para alcançar seu objetivo.

Cada vez mais, nas palavras do chairman e cofundador da Vórtx, Alexandre Assolini, ganho de volume é essencial na trajetória planejada da companhia em um “mercado (de capitais) que precisa crescer como financiador da atividade produtiva”. “Nossa proposta, desde o início, foi ganhar pouco, mas fazendo muitas operações – diferentemente da maior parte das empresas que presta serviços ao mercado de capitais, que ganha muito com poucas operações”, comenta Assolini, referindo-se ao ganho de escala que permite cobrar menos por operação e ganhar mais no volume.

A empresa já vinha ampliando os serviços prestados ao mercado de capitais, movimento que ganhou novo ritmo com o aporte de R$ 190 milhões recebidos em março e realizado pelo fundo de private equity FTV Capital. Os recursos vão ajudar a dar a musculatura de que a Vórtx precisa para realizar a abertura de capital (IPO) planejada para 2023 ou 2025. Até lá, a Vórtx pode chegar à Bolsa com uma avaliação entre R$ 4 bilhões e R$ 5 bilhões. “Vamos avançar nos três pilares (dívidas corporativas, serviços bancários e fundos de investimento) em que atuamos e incrementar novos serviços. As aquisições que estamos fazendo também são importantes porque aceleram o passo”, explica.

Estrutura baseada em três grandes pilares

Hoje, a área da Vórtx que movimenta o maior volume de recursos é a de dívida corporativa, com R$ 300 bilhões, seguida pela de serviços bancários, com R$ 113 bilhões, e pela de fundos estruturados, com mais R$ 30 bilhões.

Após ter adquirido em 2019 a Vorasys BCInf, empresa de sistemas e soluções, este ano fez a aquisição da Simplific Pavarini, um dos mais tradicionais agentes fiduciários do País; investiu na Investtools, empresa de tecnologia voltada para gestão de investimentos, e na Parfin, plataforma de clearing de criptoativos; além de estar prestes a lançar sua própria tokenizadora de ativos digitais.

“Teremos mais recursos circulando nos três pilares, mas, com a entrada em fundos líquidos a partir do ano que vem, acredito que será nesse produto que teremos o crescimento mais acelerado”, comenta Assolini. Embora os fundos líquidos (varejo) movimentem R$ 6,4 trilhões, a nova aposta da Vórtx foca nos recursos que estão fora dos bancos, ou seja, R$ 3,4 trilhões alocados nos produtos. No final do ano que vem, segundo estimativas da empresa, a plataforma já deve estar movimentando R$ 100 bilhões em fundos líquidos.

Ser uma plataforma para descomplicar

Os investimentos para crescer nos três pilares em que atua vão possibilitar que a Vórtx chegue mais rapidamente ao objetivo de proporcionar ao cliente uma experiência completa de plataforma.

“O foco da Vórtx sempre foi descomplicar o labirinto a ser percorrido por quem quer realizar operações no mercado de capitais, que precisa crescer e ser um competidor importante dos bancos no financiamento das empresas e dos negócios”, explica o fundador. “O ideal é que o cliente entre na plataforma, realize sua operação e nem perceba todos os serviços que contratou.”

Os investimentos em tecnologia são essenciais nos planos da Vórtx e estão orçados em R$ 50 milhões para 2022, incluindo aquisições. Um exemplo citado pelo sócio da empresa, para explicar a experiência de plataforma, é o desenvolvimento dos aplicativos de entrega de comida. “O cliente com um clique pede a refeição, sem se preocupar com o pagamento do restaurante, a logística da entrega e quanto será a remuneração de cada um dentro do processo. Acessar o mercado de capitais tem que ser simples assim.”

Um dos aplicativos de delivery já é cliente da Vórtx, que presta serviços em fundos estruturados, como os fundos de investimento em direitos creditórios (FIDCs). “Eles não precisam que um banco faça a intermediação entre a empresa e o dinheiro dos investidores. Ao estruturar um FIDC, ele tem acesso direto a quem tem o dinheiro para emprestar, de forma simples e ágil.”

Experiência de plataforma

O último pilar a ser incluído na estrutura de atuação da Vórtx, os serviços bancários, tem sido importante para assegurar a experiência de plataforma destacada por Assolini. Só este ano, a Vórtx já realizou mais de 20 mil TEDs. “Nunca houve um momento tão especial para serviços bancários fora dos bancos. Todas as transações podem ser feitas na própria plataforma, facilitando ainda mais o processo”, comenta o fundador, acrescentando que há um trabalho para que os serviços prestados pela Vórtx tenham vasos comunicantes com os bancos. “Nosso momento é a corrida por escala. Somos viabilizadores do mercado de capitais para todos que atuam nele, como distribuidores, gestores, estruturadores e corretoras. Somos a infraestrutura necessária, de forma descomplicada, ágil e segura.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.