Andre Dusek|Estadão
Andre Dusek|Estadão

-15%

E-Investidor: como a queda do PIB afeta o mercado financeiro

Votação da reforma da Previdência pode ficar para fim de maio

Governistas admitem que terão mais trabalho para convencer os deputados da base aliada que ainda se declaram contrários à reforma

Adriana Fernandes, Idiana Tomazelli e Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2017 | 23h24

BRASÍLIA - O calendário de greve e manifestações de hoje e do 1.º de maio, Dia do Trabalho, provocou o adiamento da votação da Reforma da Previdência. O projeto só começará a ser votado no plenário da Câmara no fim de maio, na avaliação do primeiro vice-líder do governo na Casa, deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), um dos mais aguerridos parlamentares favoráveis à reforma.

Ele reconheceu que o governo ainda não tem os 308 votos mínimos necessários para aprovar a proposta e que, por isso, precisa de tempo para convencer a base aliada a votar a favor do parecer. Como antecipou o Broadcast, a votação do substitutivo do deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA) na comissão especial não ocorrerá mais na próxima semana, o que também contribuirá para o atraso da discussão da matéria.

Além das manifestações previstas para o Dia do Trabalho, que alimentam as incertezas em relação à capacidade de o governo conseguir virar os votos contrários à reforma de parlamentares da base aliada, o relator ainda negocia mudanças no parecer. A dificuldade parece ter ficado mais clara depois da votação da reforma trabalhista, na quarta-feira, na qual o governo conseguiu aprovar o projeto por 296 votos contra 177. Apesar de expressiva, a votação seria insuficiente para aprovar a reforma da Previdência, que precisa de no mínimo 308 votos na Câmara.

Segundo fontes, a equipe econômica já trabalha com o atraso da votação e segue articulando na tentativa de barrar novas alterações que comprometem ainda mais a economia de gastos prevista com aprovação da reforma. “Está na fase de queda de braço”, disse uma fonte da área econômica.

Atraso. Caso a previsão de Perondi se confirme, a reforma da Previdência só será enviada ao Senado no início de junho. Com isso, aumentam as chances de a votação da matéria só ser concluída pelos senadores no segundo semestre, frustrando a previsão inicial do governo de aprovar a reforma no Congresso ainda no primeiro semestre. No Senado, a reforma também tem de passar por comissão especial e ser votada em dois turnos no plenário – calendário que pode ser suspenso pelo recesso parlamentar de julho.

PLACAR DA PREVIDÊNCIA: Veja a intenção de voto dos deputados

Oficialmente, no entanto, o discurso é de que os parlamentares precisam de mais tempo para conhecer as mudanças introduzidas na proposta pelo relator. “Acho que o maior problema hoje não é mais o texto, e, sim, o desconhecimento do texto”, disse Oliveira Maia. “São todos (os pontos que geram dúvida), é impressionante. Desconhecimento total.”

O presidente da comissão especial da reforma na Câmara, deputado Carlos Marun (PMDB-MS), confirmou ontem o adiamento da votação do parecer no colegiado para o dia 3 de maio. Mas as lideranças governistas avaliam que a votação do parecer na comissão especial deve mesmo ficar para semana seguinte.

ENTENDA AS MUDANÇAS NA REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Líder do governo na Câmara, o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) evitou fazer uma previsão de data de votação da reforma no plenário. De acordo com ele, a matéria será votada quando o governo conseguir convencer a base aliada. “Só adianta votar quando estiver tudo nivelado. Se a discussão com a base avançar rápido, vota rápido. O tempo agora é o do esclarecimento, da conversa, da persuasão”, disse Ribeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.