Votação do projeto de royalties do petróleo fica para 5ª ou 3ª feira, diz senador

Como o governo anunciou que só abrirá mão de R$ 1,8 bilhão a não produtores, será preciso um 'esforço maior' para fechar a conta

Karla Mendes, da Agência Estado,

27 de setembro de 2011 | 20h35

O Senado aprovou hoje a tramitação em regime de urgência para o Projeto de Lei 448/2001, do senador Wellington Dias (PT-PI), que pleiteia R$ 8 bilhões de royalties de petróleo para Estados e municípios não produtores a partir de 2012. O senador disse à Agência Estado que o relatório deve ser apresentado amanhã pelo senador Vital do Rêgo (PMDB-PB). A votação deve ser realizada na quinta-feira ou na terça-feira da próxima semana.

"Ele quer apresentar o relatório amanhã. A votação será na quinta-feira ou terça. Existem algumas Medidas Provisórias trancando a pauta, mas estamos trabalhando para fazer a liberação", afirmou Dias. Conforme antecipou ontem a Agência Estado, a proposta do senador prevê a distribuição da receita do petróleo em 2012 da seguinte forma: R$ 8 bilhões para a União, R$ 12 bilhões para os estados produtores e R$ 8 bilhões para o fundo especial, com o objetivo de compensar Estados e municípios não produtores.

Diante, porém, da posição do governo anunciada hoje de que o valor que a União abrirá mão em 2012 para compensar os não produtores será de R$ 1,8 bilhão, Dias reconheceu que será preciso um "esforço maior" para fechar a conta entre municípios e estados produtores e não produtores. A proposta original, além de retirar cerca de R$ 3 bilhões dos royalties da União em 2012, também retira do bolo as receitas oriundas de novos poços que entrarão em operação no período, o que, segundo Dias, representam 250 mil barris diários e uma renda de R$ 3 bilhões anuais. A conta também considera que os Estados produtores abram mão de royalties de poços que não são explorados atualmente, o que geraria uma receita de aproximadamente R$ 1,2 bilhão.

Tudo o que sabemos sobre:
royaltiesprojetoSenadoaprovação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.