Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Votorantim Cimentos compra norte-americana Prairie

A líder do mercado nacional de cimentos espera faturar US$ 1,5 bilhão em 2008, ante US$ 725 milhões em 2007

Reuters,

07 de fevereiro de 2008 | 16h18

A Votorantim Cimentos anunciou nesta quinta-feira, 7, a compra da fabricante norte-americana privada de concreto e agregados Prairie por valor não revelado. A estratégia da companhia é ampliar sua participação na região dos Grandes Lagos dos Estados Unidos e Canadá. Com a nova aquisição, a Votorantim Cimentos, líder do mercado nacional de cimentos, espera faturar US$ 1,5 bilhão em 2008, ante US$ 725 milhões no ano passado. O desempenho é esperado mesmo apesar do quadro de crise econômica dos EUA e da previsão da empresa de expansão inferior a 10% na indústria brasileira de cimentos, concreto e agregados em 2008, nível semelhante ao verificado nos últimos anos.  Negócios da Prairie O foco da Prairie, que tem 81 centrais de produção de concreto e 17 de agregados (como brita e areia), é a região de Chicago. A companhia norte-americana teve faturamento US$ 483 milhões em 2007. "A nossa estrutura de logística nos permite ser competitivos na região dos Grandes Lagos", disse a jornalistas o presidente da Votorantim Cimentos, Walter Schalka. A companhia brasileira tem seis unidades de produção na região dos Grandes Lagos e controla centrais de concreto e de agregados também na Flórida. A Votorantim Cimentos tem como objetivo crescer globalmente e está atenta a oportunidades na Europa e na Ásia, disse Schalka, sem dar mais detalhes. O executivo informou que a família controladora da Prairie impôs como condição no acordo de venda que o valor do negócio não fosse revelado. Perguntado sobre se o valor da operação foi afetado pela crise norte-americana, Schalka respondeu: "Nós sempre achamos que pagamos caro. Mas nossa ótica é de longo prazo. Na região geográfica que nos interessava, pagamos um preço adequado."

Tudo o que sabemos sobre:
CimentoVotorantimPrairie

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.