Votorantim compra Paraibuna Metais por US$ 106,5 milhões

O superintendente do Grupo Votorantim, Antonio Ermírio de Moraes, disse que a compra da Paraibuna Metais pelo seu grupo representa um investimento de US$ 106,5 millhões. Segundo o executivo, o Votorantim está no mercado atento às oportunidades que surgirem. A Paranapanema informou que vendeu sua participação na Paraibuna para o Grupo Votorantim, sem revelar o valor da operação. A Paranapanema detinha 96,91% do capital total da empresa (99,94% do votante e 95,18% do preferencial). Segundo o fato relevante divulgado pela Paranapanema, a companhia deve receber os recursos da venda em até 45 dias. "Nossa intenção é crescer no Brasil e entendo que o preço do zinco na London Metal Exchange(LME) é que torna o negócio competitivo", explicou Antonio Ermírio, ao confirmar que o negócio terá de passar pelo crivo do Conselho Administrativo de Defesa da Economia (Cade). Segundo ele, a aquisição não deverá enfrentar problemas no Cade. "Não poderemos aumentar o preço além do LME, que hoje é de US$ 815/t. Vamos ter de seguir o preço do mercado internacional", afirmou o executivo. Ermírio afirma que a Paraibuna terá que usar zinco da sua mina de Vazante, a mesma que abastece a Companhia Mineira de Metais(CMM)que produz zinco também. Com a compra da Paraibuna, a Votorantim vai produzir 220 mil t do metal. Hoje, seu poder de produção, recentemente ampliada, é de 160 mil t. "Com a Paraibuna ampliamos a nossa capacidade de produção. Poderemos usar minério da Vazante, de outras minas ou até importar para a produção aqui". Segundo Ermírio, uma vantagem da Paraibuna Metais é de que ela é auto-suficiente na produção de energia para o seu próprio uso. "Isso nos dá tranquilidade", afirmou o empresário, que chegou de uma viagem hoje às 5h da manhã e às 7h já estava no escritório para despachar. Ermírio salientou que as últimas chuvas estão sendo importantes para que os reservatórios das hidrelétricas sejam preservados. Ele era favorável à manutenção do racionamento em um limite mínimo para que os reservatórios fossem resguardados.

Agencia Estado,

28 de março de 2002 | 17h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.