ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Votorantim reforça presença no setor agro

Novos produtos da Votorantim combinam cálcio, magnésio e enxofre, que se distribuem rapidamente até camadas profundas do solo

Coluna do Broadcast Agro, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2020 | 07h01

Produtos de maior valor agregado são o novo foco da Votorantim Cimentos no setor agropecuário. Depois de elevar em 750 mil toneladas sua capacidade de produção de calcário agrícola no ano passado, a empresa criou uma marca específica para os clientes do campo – a Viter –, que reúne linhas de corretivos e nutrientes para o solo. Junto com o reposicionamento no mercado, a companhia aumenta sua capacidade de produção em mais 1 milhão de toneladas de produtos diversos, para chegar a 4,3 milhões de toneladas no fim do ano.

Boa parte do volume adicional virá de duas novas linhas de produção que entram em operação em 2020, em Nobres (MT) e Itapeva (SP), e de ampliações de capacidade das unidades de Nobres e Itaú de Minas (MG), conta Laércio Solla, gerente-geral da marca. “Estamos deixando de tratar apenas de calcário agrícola e ampliando para tecnologias de valor para o solo”, afirma. 

Campo fértil

Novos produtos da Votorantim combinam cálcio, magnésio e enxofre, que se distribuem rapidamente até camadas profundas do solo. Outra aposta da empresa é no insumo que acelera a renovação da terra com altos teores de minerais. Em 2019, R$ 72 milhões foram investidos e neste ano outros R$ 27 milhões serão aportados, de R$ 200 milhões projetados até 2024.

Horizontes

Com o reposicionamento no agro, a companhia pretende atender a outros segmentos, além de crescer em soja, milho, citros e algodão. Na mira estão café da região de Alta Mogiana (SP) e de Minas, e extrativismo e pastagens no Pará. Hoje, a empresa tem forte atuação no setor sucroalcooleiro do Sudeste e de grãos do Paraná.

Pode vir

O BDMG vai operar o maior recurso de sua história em crédito para o setor cafeeiro: R$ 392 milhões na safra 2020/2021, aumento de 55% em relação ao ciclo anterior. O banco ampliou sua fatia de recursos do Funcafé (Fundo de Defesa da Economia Cafeeira).

Aposta

A expectativa da instituição é de forte demanda devido à bienalidade positiva do café – a cultura alterna ano de alta produção com outro de colheita menor. “Queremos fornecer mais crédito aos setores estratégicos da economia, especialmente cooperativas e pequenos produtores da cadeia do café”, afirma Sergio Gusmão, presidente do BDMG.

Bons frutos

A Arpac, startup especializada em pulverização agrícola por drones, fechou abril com faturamento 70% maior que em igual mês do ano passado e 2 mil hectares pulverizados no período. A demanda veio principalmente de áreas de cana-de-açúcar em São Paulo e Goiás, conta Eduardo Goerl, CEO da empresa. “O resultado da primeira quinzena de maio mostra que o crescimento vai continuar firme”, projeta.

Continua

No atual ciclo 2019/2020, que termina em 30 de junho, a empresa prevê faturar R$ 600 mil. Para 2020/2021, a ideia é dobrar sua receita. A área coberta também deve aumentar dos atuais 50 mil hectares para 200 mil hectares, com o dobro de equipamentos em operação.

Papo reto

Dois executivos de grandes empresas do agronegócio pediram ao presidente Jair Bolsonaro que integrantes do governo parem imediatamente de criticar ou mandar recados à China. A cobrança foi feita durante videoconferência do chefe do Executivo e do ministro Paulo Guedes com empresários paulistas, na última quarta-feira (13). Eles lembraram que os chineses são os maiores parceiros comerciais do Brasil no agro e que qualquer retaliação seria desastrosa para o País. 

Fica

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, nunca esteve tão firme no cargo como agora, diz o deputado Alceu Moreira (MDB-RS), presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária. “O agro não improvisa e não cederá (a pressões)”, avisa o parlamentar.

Avante

A Associação Internacional de Soja Responsável (RTRS) planeja atingir neste ano 5 milhões de toneladas de soja certificada e vendida no mundo no padrão RTRS, que atesta a sustentabilidade da produção. Deste total, de 4 milhões a 4,2 milhões de toneladas devem vir do Brasil, prevê Cid Sanches, consultor externo da RTRS no País. Em 2019, foram 4 milhões de toneladas no mundo, sendo 3,3 milhões de toneladas só do Brasil.

Promessa é dívida

Após vários anos de demanda concentrada em parte da Europa, a Ásia estreou nas compras de soja RTRS em 2019, com demanda de China, Japão, Vietnã e Tailândia. Os compromissos assinados por empresas em todo o mundo de ter parte do consumo certificada até 2020 também contribuíram para o maior interesse. “Deve perdurar nos próximos 4 a 5 anos o crescimento da demanda por produtos sustentáveis”, prevê Sanches. / POR CLARICE COUTO, ISADORA DUARTE, GUSTAVO PORTO e LETICIA PAKULSKI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.