Jarbas de Oliveira/Vulcabrás
Jarbas de Oliveira/Vulcabrás

Vulcabrás repassa a Azaleia para a rival Grendene e se concentra em calçados esportivos

Empresa anunciou a compra da marca Mizuno no Brasil na última segunda-feira e vai adaptar fábricas de calçados femininos para a linha esportiva

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2020 | 18h52

Após comprar o direito de fabricar e comercializar a japonesa Mizuno da Alpargatas, a Vulcabrás dá agora um passo definitivo para se tornar uma empresa apenas de calçados esportivos. Para se concentrar no setor, a Vulcabrás vai terceirizar a marca de calçados femininos Azaleia para a concorrente Grendene, conhecida por fabricar Melissa e Ipanema, entre outras. 

No processo de concentrar o portfólio, a Vulcabrás – que também produz as marcas esportivas Under Armour e Olympikus – também vai descontinuar a Dijean, enquanto tenta encontrar um interessado na marca. 

Segundo Pedro Bartelle, presidente da Vulcabrás, o movimento trará, logo de imediato, um aumento de faturamento para a fabricante gaúcha. 

A companhia vai abrir mão da Azaleia, que fatura cerca de R$ 100 milhões por ano, e colocará para dentro a Mizuno, que teve receita de R$ 444 milhões no ano passado. Para ficar com a marca esportiva, a empresa desembolsará cerca de R$ 200 milhões, segundo comunicado divulgado pela Alpargatas na última segunda-feira.

“Esse movimento faz muito sentido para nós, que sempre tivemos uma tradição em calçados esportivos. Foi a Vulcabrás que originalmente trouxe a Adidas para o Brasil, ainda nos anos 1960”, diz Bartelle. “Agora temos a Mizuno, que é uma marca de performance, a Under Armour, que é ligada a fitness, e a Olympikus, que é uma força democratizadora, que dá acesso a esse mercado.”

O executivo também ressalta que não haverá demissões. Pelo contrário: estão previstas contratações. As fábricas da Bahia e do Ceará vão produzir as três marcas esportivas. As linhas antes dedicadas aos sapatos femininos serão adaptadas. Dos 13 mil funcionários da Vulcabrás, 650 ficam na sede de Parobé (RS), onde está concentrado o desenvolvimento das três marcas esportivas. 

Analistas de mercado reagiram bem à adaptação do negócio da Vulcabrás, especialmente pelo fato de que os calçados da Mizuno, dedicados especialmente a praticantes de corrida, têm um valor médio bem superior ao das demais marcas da companhia.

‘Dança das cadeiras’

De acordo com Jaime Troiano, presidente do Grupo Troiano de Branding, essa “dança das cadeiras” de marcas entre Vulcabrás, Grendene e Alpargatas revela uma maturidade corporativa dessas empresas. “Sempre digo que as empresas devem se concentrar naquilo em que são mais eficientes. E, nos três casos, vemos uma caminhada nessa direção.”

Para o especialista em construção de marcas, a decisão de descontinuar ou repassar marcas a terceiros revela também uma ausência de vaidade corporativa. “Às vezes a gente pode abrir mão de algo que criamos por algo que não criamos, mas tem mais a nossa cara. Aí é que entra a maturidade: a Azaleia tem bem mais conexão com a Grendene. É a hora de deixar o filho crescer.”

Tudo o que sabemos sobre:
VulcabrásGrendeneMizuno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.