VW não confirma número de demitidos, mas diz que reduzirá custos

O fabricante automobilístico alemão Volkswagen desmentiu hoje sua intenção de acabar com 14.000 empregos em toda a Europa, como divulgaram diversos meios de comunicação alemães. "Não há nenhuma cifra. Falamos de custos, não de cabeças", disse hoje um porta-voz da companhia, que desmentiu as informações publicadas pela imprensa alemã. O presidente do consórcio automobilístico, Bernd Pischetsrieder, explicou na segunda-feira em reunião com empregados na central de Wolfsburg (norte da Alemanha) que a companhia colocará em andamento ações para reduzir sua equipe neste país, algo que afetará os empregados de todos os níveis. Ele acrescentou que, embora as cifras de vendas tenham subido, o consórcio tem um excesso de capacidade de produção e, por isso, se esforçará mais para reduzir postos de trabalho. O jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung cifrou hoje em 14.000 os empregos que o maior fabricante automobilístico europeu eliminará na Europa, enquanto o semanário Spiegel assegurou que a empresa acabará com 10.000 postos na Alemanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.