Wagner defende análise de Alca no mercado de trabalho

O ministro do Trabalho e Emprego, Jaques Wagner, defendeu a troca de informações entre os ministérios do Trabalho e organizações de empregadores e trabalhadores sobre o impacto da Área de Livre Comércio das Américas (Alca) no mercado de trabalho dos diversos países do hemisfério, em palestra que reuniu os 34 países integrantes da Organização dos Estados Americanos (OEA). Wagner chegou hoje cedo de Miami, onde participou do encontro de ministros do Trabalho e do Comércio, em encontro paralelo à reunião ministerial da Alca. O ministro, segundo a Assessoria, fez um pronunciamento em defesa da troca de informações entre os ministros da área. Ele sugeriu que os ministros definam uma "agenda positiva de políticas e ações para o continente". O ministro entregou ao secretário de comércio exterior dos Estados Unidos, Roberto Zoelick, o relatório do Grupo de Trabalho sobre a "dimensão sociolaboral do processo da cúpula das Américas". Esse grupo, segundo o discurso de Wagner distribuído por sua Assessoria, aprofundará os estudos dos efeitos da globalização sobre emprego e o trabalho com o objetivo de se realizar um trabalho de maior integração das políticas econômicas e sociais dos países. O documento entregue por Wagner considera que a integração econômica é vital para o futuro dos trabalhadores no hemisfério.

Agencia Estado,

21 de novembro de 2003 | 14h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.