Wagner e Furlan minimizam ausência de Palocci

Os ministros Jaques Wagner, do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, e Luiz Fernando Furlan, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, minimizaram em entrevista coletiva após a reunião do conselho, a ausência do ministro da Fazenda, Antonio Palocci. Segundo eles, essa ausência não teria sido em função da discussão de uma política industrial supostamente dissonante da política econômica. Diante da insistência de jornalistas que diziam terem sido informados pelo Ministério da Fazenda de que o ministro Palocci compareceria à reunião, Furlan chegou a argumentar que conversou ontem à noite com Palocci e que o ministro lhe deu algumas sugestões para sua exposição de hoje para os integrantes do Conselho. A ausência de Palocci na reunião chamou a atenção da imprensa em função de discurso do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que, num tom de puxão de orelha aos empresários, reafirmou hoje a intenção de cumprir rigorosamente a meta de inflação de 5,5% em 2004. Antes da reunião, representantes dos empresários - como os presidentes da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando Monteiro, e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Horácio Lafer Piva, defenderam uma flexibilização na meta de inflação. Monteiro, por exemplo, afirmou que o governo deveria usar a banda de 2,5 pontos porcentuais para, atingindo a meta, não haver impacto negativo no crescimento da economia neste ano. Com a utilização da banda de 2,5 pontos, a inflação poderia chegar até 8%.

Agencia Estado,

11 Março 2004 | 16h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.