Wal-mart corta postos de trabalho na China para reduzir custos

Wal-mart corta postos de trabalho na China para reduzir custos

A varejista americana tem mais de 400 lojas no país asiático e emprega cerca de 2 milhões de pessoas em todo o mundo

REUTERS

27 de novembro de 2014 | 07h18

O Wal-Mart Stores disse que cortou mais de 20 postos de trabalho executivos de nível médio na China, como parte de seu esforço para reduzir os custos na segunda maior economia do mundo, onde a companhia vem lutando contra vendas mais lentas e dura concorrência em preços.

Raymond Bracy, porta-voz baseado na China para o Wal-Mart, disse que os cortes de pessoal foram uma "realidade empresarial necessária", acrescentando que a varejista irá pagar os encargos apropriados aos funcionários afetados.

O Wal-Mart, que tem mais de 400 lojas na China, afirmou que emprega cerca de 2 milhões de pessoas em todo o mundo.

Bracy se recusou a fazer comentários adicionais sobre os cortes de empregos na China. A Bloomberg informou anteriormente que cerca de 30 executivos de alto escalão, incluindo diretores e vice-presidentes do Wal-Mart China e seu braço de atacado, o Sam's Clube China, haviam sido demitidos.

A mídia chinesa também informou que a varejista estava cortando mais de 100 postos de trabalho, incluindo cargos executivos seniores e de nível médio.

O Walmart registrou uma queda de 0,8 por cento nas vendas na China durante o trimestre até 31 de outubro, que atribuiu às medidas de austeridade do governo e deflação.

(Por Nathan Layne)

Tudo o que sabemos sobre:
VAREJOWALMARTCHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.