Wal-Mart diz que abrirá menos lojas nos EUA, investirá mais em e-commerce

O Wal-Mart Stores <WMT.N>, maior varejista do mundo, disse nesta quarta-feira que irá abrir menos lojas nos Estados Unidos no próximo ano fiscal e que elevará os gastos com e-commerce.

REUTERS

15 de outubro de 2014 | 13h55

A empresa vai abrir 180 a 200 lojas de formato reduzido, chamadas de Neighborhood Markets, no próximo ano fiscal até janeiro de 2016, afirmou Greg Foran, chefe do negócio norte-americano, em uma reunião de investidores e analistas. O número se compara com o plano da companhia de abrir 270 a 300 unidades do mesmo formato no atual ano fiscal.

Foran disse que o Wal-Mart abrirá 60 a 70 Supercenters, lojas maiores, no próximo ano fiscal, em comparação com um plano de 115 inaugurações, incluindo conversões, este ano.

O presidente-executivo do Wal-Mart, Douglas McMillion, disse na reunião que a varejista irá investir "um pouco menos do que iria em lojas" e investir mais em e-commerce.

(Por Nathan Layne)

Tudo o que sabemos sobre:
VAREJOWALMARTLOJAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.