André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Wall Street vê escolha como 'decepção’

Analistas estrangeiros temem que haja um relaxamento na política fiscal

Altamiro Silva Junior, correspondente, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2015 | 22h54

NOVA YORK - A escolha do ministro, Nelson Barbosa, para assumir o lugar de Joaquim Levy no Ministério da Fazenda foi inicialmente recebida com reservas e decepção por economistas nos Estados Unidos. Um dos temores é que haja um relaxamento na política fiscal, o que desagradaria ainda mais as agências de classificação de risco e os investidores estrangeiros.

Os economistas da consultoria de risco político Eurasia, com sede em Washington, Christopher Garman e João Augusto de Castro Neves, já esperavam que a substituição de Levy seria feita por uma solução interna e avaliam que nomes como o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, ou o ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, seriam vistos pelo mercado financeiro como mais comprometidos com o ajuste fiscal do que Barbosa.

Em Wall Street, um dos indicativos de que a escolha de Barbosa não agradou os investidores é a queda dos papéis ligados ao Brasil, como o maior fundo de índice de ativos do país, o iShares MSCI Brazil, conhecido pela sigla EWZ e com patrimônio de US$ 1,8 bilhão, recuava 4% no início da noite desta sexta-feira. Outro fundo, com menor patrimônio, de US$ 42 milhões, o Direxion Daily Brazil Bull Shares tinha perda de 12%.

Relaxamento. “Barbosa vai ser interpretado como uma decisão do governo de relaxar a política fiscal", afirmam os dois analistas da Eurasia em uma nota. O ministro já trabalhou no governo de Luiz Inácio Lula da Silva e é mais próximo do PT que Levy. Inicialmente, a consultoria esperava que Levy fosse deixar o governo após a votação do processo de impeachment na Câmara.

Para os economistas do banco de investimento Brown Brothers Harriman, com sede em Nova York, o nome de Barbosa é um “mau desenvolvimento” para a política econômica brasileira. Um dos temores é uma guinada mais à esquerda na economia, como quer parte do PT e dos movimentos sociais, que não gostavam de Levy.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.