Werther Santana/Estadão Conteúdo
Werther Santana/Estadão Conteúdo

Walmart decide focar em lojas físicas e encerra shopping virtual

Empresa demitiu 70 funcionários do marketplace, que comercializava produtos de 3 mil fornecedores

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2019 | 14h34

O Walmart fechou nesta sexta-feira, 10, o seu marketplace, espécie de shopping virtual onde eram comercializados online produtos de terceiros. A empresa demitiu 70 trabalhadores. Com isso, a companhia  sai, por ora, do comércio eletrônico e passa a focar nas lojas físicas, tanto de varejo como de atacado. 

Dois anos atrás, em 2017, a varejista já tinha encerrado a operação de comércio eletrônico com a venda de produtos próprios. Três mil companhias vendiam seus produtos no marketplace da empresa, que empregava 90 pessoas. Segundo a empresa, as vendas do marketplace era tão pequenas  que não passavam de um hipermercado de baixo desempenho. Por isso, não se justificava a continuidade da operação. O marketplace era tocado por uma diretoria ligada ao segmento de farmácias do grupo.

A decisão da companhia de centralizar os negócios nas lojas físicas faz parte do plano de recuperação da rede varejista, que começou a ser implantado desde que o fundo americano Advent passou a controlar a operação no Brasil em junho do ano passado.

Com a compra de 80% da varejista, o fundo pretende investir R$ 1,9 bilhão até 2021 para reerguer a companhia. De acordo com a empresa, o retorno ao comércio online deve correr mais para frente e de forma integrada com as lojas físicas.

Em crise, a última vez que a rede divulgou seu faturamento foi em 2017. À época, as vendas somaram R$ 28,1 bilhões. A empresa ocupa a terceira posição no ranking das maiores varejistas da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), atrás do Carrefour e do GPA.  

Aposta no atacarejo

No começo desta semana, o diretor de Atacado do Walmart, Beto Alves, disse que a empresa quer voltar ao jogo do atacarejo com a bandeira Maxxi totalmente remodelada. Até o final do ano que vem, dez lojas de hipermercados  com desempenho ruim serão convertidas em atacarejo. Outras dez serão transformadas em clube de compras, com a bandeira Sam’s Club A partir de agora, o foco dos negócios será o varejo físico e as lojas de atacado (atacarejo e clube de compras).

A primeira loja de hipermercado que será convertida em Sam’s Club, será a de Brasília, localizada na Asa Norte, do Distrito Federal. A meta da companhia é manter cerca de cem lojas de hipermercados em funcionamento e metade delas será reformada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.