PAULO WHITAKER/REUTERS-14/2/201
PAULO WHITAKER/REUTERS-14/2/201

Walmart tenta se reestruturar fora dos EUA

Varejista americana negocia parcerias com grupos locais no Reino Unido, na Índia e no Brasil

Impresso

30 Abril 2018 | 05h00

A urgência do Walmart em reduzir as perdas de participação de mercado para as rivais ao redor do mundo está fazendo com que a rede de supermercados negocie parcerias com grupos locais no Reino Unido e na Índia. No Brasil, a companhia está em conversas para vender 80% de sua participação.

A maior varejista do mundo está em negociações para fundir sua subsidiária no Reino Unido, ASDA, com a J Sainsbury Plc, na qual passará a deter uma participação minoritária. Se concluída, a fusão criaria o maior grupo de supermercados do Reino Unido, em uma combinação que pode ultrapassar a Tesco – hoje a maior do país – e valer mais de US$ 20,7 bilhões.

Na Índia, o Walmart quer adquirir uma participação majoritária na Flipkart, a maior varejista online da Índia, por um valor que varia de US$ 10 bilhões a US$ 12 bilhões, após anos de desempenho abaixo do esperado. Fontes afirmam que se trata de uma transação ousada para fazer frente à crescente guerra com a Amazon. As negociações estão avançadas e podem ser concluídas em breve.

Estratégia. Os movimentos reforçam o foco renovado do Walmart em alcançar os concorrentes, desde a Aldi até a Amazon.com, nos principais mercados internacionais. O negócio internacional de baixo desempenho da rede varejista contribuiu com menos de um quarto para a receita total de US$ 500,3 bilhões no ano fiscal de 2018.

“O Walmart simplesmente demorou a reagir quando se trata de seus negócios no exterior (fora dos Estados Unidos)”, disse Burt Flickinger, diretor-gerente do Strategic Resource Group. “Eles finalmente começaram a tomar medidas corretivas e agora estão dedicando seus recursos para onde eles acham que podem crescer”, disse ele.

Também marca uma mudança na abordagem tradicional do Walmart de construir um negócio por conta própria.

“O Walmart está claramente se distanciando da tentativa de quebrar mercados estrangeiros por si só, pois percebe que é o caminho mais rápido para preencher a lacuna com os concorrentes”, disse Laura Kennedy, vice-presidente de vendas e prática de compras da Kantar Consulting.

O Walmart se recusou a comentar as negociações no Reino Unido e na Índia.

+ Walmart vai implementar caixas sem atendente em toda a rede

Mercado nacional. No Brasil, negocia com investidores a venda de uma participação majoritária. Na semana passada, surgiram informações de que o fundo de private equity Advent tem interesse em adquirir 80% do grupo no País. Segundo fontes, as conversas estão avançadas e uma conclusão deverá ser anunciada nos próximos dias.

No setor do varejo, a Advent tem participação na empresa Quero-Quero, de venda de material de construção, e na Fortbrás, que atua no setor de reposição de autopeças.

O Walmart tem vivido uma série de mudanças no País. Paralelamente à busca por um sócio, a companhia começou uma tentativa de recuperação das vendas de seus hipermercados, fazendo reformas em várias lojas e ajustes nas operações. No comércio eletrônico, decidiu parar de vender itens diretamente aos consumidores finais e passou a atuar apenas no marketplace, modelo em que outros comerciantes negociam produtos na plataforma. /COM AGÊNCIA ESTADO

Mais conteúdo sobre:
Walmart

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.