Wells Fargo reembolsa ajuda de US$ 25 bi nos EUA

O banco Wells Fargo completou o pagamento de US$ 25 bilhões em ajuda que recebeu do governo dos EUA no auge da crise financeira global. O banco levantou US$ 12,25 bilhões em uma oferta de ações ordinárias concluída na sexta-feira passada. Os recursos da oferta e o excesso de liquidez foram usados para que a instituição pudesse sair do Programa de Alívio de Ativos Problemáticos (Tarp, na sigla em inglês).

DANIELLE CHAVES, Agencia Estado

23 de dezembro de 2009 | 16h14

O pagamento do Tarp permite ao Wells Fargo evitar a supervisão ampliada por parte dos reguladores, que vêm colocando sob escrutínio desde o pagamento dos executivos até a compra de outras empresas. Quarto maior banco dos Estados Unidos, o Wells Fargo se comprometeu a encontrar uma forma de sair do Tarp sem uma grande diluição para os acionistas - o maior deles é a Berkshire Hathaway, do bilionário Warren Buffett.

"Com o reembolso do investimento do Tarp, nós podemos intensificar nosso foco no que fazemos de melhor: ajudar os clientes e empresas a atingirem o sucesso financeiro", afirmou o presidente e executivo-chefe do banco, John Stumpf, em um comunicado.

O Wells Fargo também pagou dividendos de US$ 131,9 milhões, levando o total de dividendos pagos aos EUA para US$ 1,44 bilhão desde que as ações preferenciais foram emitidas, em outubro de 2008. O Tesouro dos EUA ainda possui direitos para comprar cerca de 110 milhões de ações do Wells Fargo a um preço de exercício de US$ 34,01 por ação.

O banco ficou vulnerável ao impacto da crise financeira e da recessão por causa da grande carteira de hipotecas de taxas ajustáveis que assumiu quando comprou o Wachovia. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bancocriseWells FargoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.