Wen promete manter crescimento da China

O primeiro-ministro da China, Wen Jiabao, prometeu manter um crescimento econômico estável e defendeu seu histórico na direção da economia do país nos últimos dez anos durante o Fórum Econômico Mundial em Tianjin. Wen afirmou esperar que a economia doméstica se estabilize e disse que o país está no caminho certo para atingir a meta de crescimento de 7,5% no Produto Interno Bruto (PIB) neste ano.

AE, Agencia Estado

11 de setembro de 2012 | 09h40

"Nós vamos dar mais prioridade para a estabilização do crescimento (...) Temos total confiança de que a meta de crescimento econômico da China para este ano será atingida", declarou. Reconhecendo que a economia chinesa está sob "notável pressão negativa", Wen destacou que o governo introduziu várias medidas desde maio para dar suporte à expansão e que todas estão conduzindo o país às metas de reforma de longo prazo.

Essas medidas incluem uma reforma fiscal, menores impostos para empresas pequenas, cortes e flexibilização das taxas de juros, bem como redução do nível de reserva compulsória dos bancos, listou Wen.

O premiê prometeu manter um crescimento estável da oferta monetária e do crédito e estimular o crescimento do consumo e dos investimentos. Wen também sinalizou massivos gastos fiscais para dar suporte à economia, dizendo que a China tem um superávit orçamentário de cerca de 1 trilhão de yuans (US$ 158 bilhões) até agora neste ano e cerca de 100 bilhões de yuans em um fundo de reserva especial, "que nos não hesitaremos em usar para fazer um ajuste fino da economia".

Sobre seu histórico como premiê desde 2003, Wen foi especialmente enfático ao defender os grandes estímulos fornecidos à economia durante a crise financeira global em 2008 e 2009. Muitos analistas elogiam a China pelas políticas de estímulo, mas os planos implementados também geraram custos de longo prazo, incluindo inflação, aumento dos preços dos imóveis e acúmulo de empréstimos questionáveis por bancos estatais. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinapremiêeconomiaWen Jiabao

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.