Western Union vai abrir bancos no País

Objetivo do banco dos EUA, que também terá corretora, é aproveitar boa fase do mercado de remessa doméstica

Adriana Fernandes e Eduardo Rodrigues/BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2010 | 00h00

De olho no mercado bilionário de remessas internacionais de valores por pessoas físicas, que mais do que duplicou no Brasil nos últimos oito anos, a americana Western Union Company foi autorizada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) a criar um banco e uma corretora de câmbio no País.

O grupo americano tem planos também de se lançar com força no mercado de remessas domésticas de dinheiro. A companhia, que já atuava no Brasil por meio de uma parceria com o Banco do Brasil (BB), planeja abrir 3 mil pontos no território nacional nos próximos quatro a cinco anos para aproveitar um mercado em plena expansão. De acordo com dados do Banco Central, as chamadas remessas unilaterais somaram US$ 2,86 bilhões, considerando os valores recebidos e enviados para outros países, enquanto o volume em 2009 chegou a US$ 6,13 bilhões.

Vantagem. Os brasileiros que moram no exterior geralmente precisam localizar agências de bancos que atuam no Brasil para enviar ou receber recursos de familiares no País. Como tem agências no mundo todo, a Western Union leva vantagem nesse quesito, facilitando as transações.

Além disso, a companhia aposta no crescimento da renda dos brasileiros para ganhar espaço nas remessas domésticas, entre cidades e Estados diferentes. Segundo o chefe do Departamento de Organização do Sistema Financeiro do Banco Central, Luiz Edson Feltrim, a empresa vai abrir lojas e também correspondentes bancários para ter uma forte atuação no varejo. "Eles querem atuar com alta capilaridade em todo o País. Ficar na rua", afirmou. A proposta ainda precisa da aprovação do presidente da República.

A mesma percepção de negócio levou o BB a pedir autorização ao Fed, o banco central americano, para operar com residentes nos EUA. Em abril, o pedido foi aprovado, permitindo à instituição abrir agências no território americano - com potencial de 1,5 milhão de brasileiros.

Ao contrário do Western Union, porém, o BB planeja adquirir uma instituição americana para aproveitar uma estrutura já existente. No foco estão os estados mais habitados por brasileiros, como Nova York, Nova Jersey, Flórida e Massachusetts.

Estratégia

LUIZ EDSON FELTRIM

CHEFE DO SETOR DE ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO DO BC

"Eles querem atuar com alta capilaridade em todo o País."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.