Divulgação
Divulgação

coluna

Thiago de Aragão: investidor estrangeiro vê como irreal promessa de Guedes de 4 privatizações em 90 dias

WPP compra a Agência Ideal, de relações públicas

Após dois anos de busca, grupo britânico segue concorrentes que já investiram no setor no País, como Omnicom e Publicis

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2015 | 02h05

O grupo WPP comprou uma fatia majoritária da agência de relações públicas Ideal. Mais conhecido por marcas na área de publicidade, como a Ogilvy, o grupo tenta reforçar sua marca de RP, a Hill+Knowton Strategies, que tinha presença discreta no Brasil. A aquisição vai criar o Grupo Ideal, que reunirá duas agências: a nova Ideal H+K Strategies e a Ogilvy PR, que vai incorporar a ConceptPR, que pertencia à Ideal. O valor do negócio não foi revelado.

Com o acordo e a união das marcas, o Grupo Ideal deverá subir posições no ranking do mercado de relações públicas no Brasil - os dados são estimados, pois as empresas têm capital fechado. Segundo fontes, a Ideal ficará atrás de FSB, CDN (que pertence ao grupo de comunicação brasileiro ABC, de Nizan Guanaes) e InPress (que tem outro grande grupo global de comunicação, a Omnicom, somo sócio). Segundo apurou o Estado, o WPP buscava uma aquisição no setor de RP no Brasil havia cerca de dois anos.

Não é de hoje que o setor de relações públicas atrai investimentos no Brasil. A pioneira em atrair um sócio estrangeiro foi a S2Publicom, que tem o Interpublic no quadro societário. O MSL Group, que pertence à gigante francesa Publicis, é majoritário em duas agências: a MSL Andreoli e a MSL Espalhe. Entre os negócios globais especializados em relações públicas, a Edelman e a Ketchum também têm presença relevante no mercado brasileiro.

A Edelman é a líder global no setor de relações públicas, segundo o anuário Holmes Report, que acompanha o setor. As marcas da WPP, H+K e OgilvyPR, estão na sétima e oitava posições, respectivamente. No Brasil, tinham presença discreta: ambas somavam cerca de 60 funcionários antes da união com a Ideal, que já contabilizava uma equipe de 170 pessoas.

Valorização. Essa "corrida" dos grandes grupos em direção à área de relações públicas é reflexo da transferência de parte do investimento em comunicação antes alocada nas agências de publicidade para o setor. Hoje, as empresas de RP disputam com a publicidade verbas de marketing digital, por exemplo. A combinação do trabalho de comunicação institucional com o uso de ferramentas digitais para a promoção de marcas foi um dos aspectos que mais pesaram para que a WPP fechasse negócio com a Ideal.

Os sócios-fundadores da Ideal, Ricardo César e Eduardo Vieira, permanecem no comando do negócio e seguem com uma fatia minoritária do Grupo Ideal. Ao estar dentro do WPP, que está presente em 80 países, a agência ganha mais chances de fechar contratos globais, de acordo com César. "Antes, quando havia uma conta que exigia o trabalho em toda a América Latina, tínhamos de buscar parcerias locais. Fazer parte de um grupo global facilita esse trabalho."

Digital. Fundada em 2007, a Ideal surgiu com a meta de ter um DNA digital. A empresa, aliás, nasceu para concorrer pelo atendimento do Google, que acabou sendo seu primeiro cliente. Hoje, o portfólio da Ideal inclui marcas como Facebook, GE, Nike, Monsanto, Diageo e Dell. "Chegamos com um perfil de influenciador digital, com monitoramento de redes sociais e geração de conteúdo. Ao mesmo tempo, o cliente não pode abrir mão do trabalho institucional. Foi uma união desses dois lados", explica Vieira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.