Xangai fecha acordo para construção de Disneylândia na China

Projeto, que ainda precisa de aprovação do Conselho de Estado, vai consumir investimento de US$ 3,59 bilhões

Cláudia Trevisan, de O Estado de S. Paulo,

19 de janeiro de 2009 | 12h51

Depois de Coca-Cola, McDonald's, KFC e outros símbolos do antigo "imperialismo ianque", chegou a vez de Mickey Mouse fincar sua bandeira na China. O governo de Xangai e a Walt Disney fecharam um acordo para construir uma Disneylândia na maior cidade do país, que deverá estar pronta em 2014 e consumir investimentos de US$ 3,59 bilhões, algo como R$ 8,3 bilhões. O prefeito de Xangai, Han Sheng, disse que o governo municipal e executivos da Disney começaram a discutir a ideia há mais de 10 anos e ressaltou que o projeto ainda precisa da aprovação do Conselho de Estado, chefiado pelo primeiro-ministro, Wen Jiabao. O parque temático chinês será o quarto fora dos Estados Unidos - os outros estão localizados em Paris, Tóquio e Hong Kong. O projeto deverá ocupar uma área de 10 quilômetros quadrados, oito vezes mais que a Disneylândia de Hong Kong, inaugurada em 2005 e criticada pelos visitantes da China continental por ser muito pequena - das quatro Disneylândias do mundo, a menor é a da ex-colônia britânica. Só o espaço destinado ao shopping center de Xangai será maior que todo o empreendimento de Hong Kong. Além da área de compras e do parque, o projeto de Xangai prevê a construção de um hotel para abrigar os visitantes. A Walt Disney vai administrar o empreendimento, mas não terá participação majoritária no capital, que será o governo municipal, em uma relação de 57% e 43%. O parque deverá ser construído em Pudong, a região de Xangai que se desenvolveu a partir dos anos 90, e que ostenta o típico skyline futurista da cidade. Como todas as empresas do planeta, a Disney está de olho nos milhões de consumidores chineses urbanos, que viram sua renda crescer de maneira exponencial nas últimas três décadas, ao mesmo tempo em que desenvolveram uma queda especial pelos ícones do capitalismo ocidental.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaDisney

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.