Fórum Econômico Mundial/Via AFP
Fórum Econômico Mundial/Via AFP

Xi Jinping defende retomada com multilateralismo

Em sua participação no Fórum Econômico Mundial, que este ano é realizado online, o presidente da China pediu a cooperação global no enfrentamento à covid-19

Rolf Kuntz, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2021 | 15h43

O presidente da China, Xi Jinping, apelou a todos os governos em defesa do multilateralismo e da cooperação global para a retomada do crescimento e do enfrentamento final da covid-19. “Apesar dos trilhões de dólares aplicados em pacotes de alívio em todo o mundo, a recuperação global é frágil e as perspectivas permanecem incertas. Precisamos focar nas prioridades de hoje e combinar a resposta à covid com o desenvolvimento econômico”, afirmou. A pandemia, enfatizou, está longe de ser superada. A fala desta segunda-feira, 25, no Fórum Econômico Mundial, foi uma atualização do discurso de janeiro de 2017, apresentado poucos dias antes da posse do presidente Donald Trump.

O recém-eleito presidente americano foi amplamente confrontado, naquela ocasião, por uma enfática defesa da globalização, do multilateralismo e do respeito a regras e instituições internacionais. Cada ponto valorizado naquele pronunciamento de Xi Jinping foi o oposto das políticas prometidas pelo candidato republicano, aplaudidas pelo presidente Jair Bolsonaro e por ele imitadas nos anos seguintes. Bolsonaro também seguiu a orientação de Trump votando contra interesses chineses na Organização Mundial do Comércio (OMC), acusando a China de ter produzido e espalhado o novo coronavírus e falando mal da vacina chinesa.

A continuidade entre as duas falas de Xi Jinping, apesar do intervalo de quatro anos, foi ressaltada pelo fundador e presidente do Fórum, Klaus Schwab, ao dar a palavra ao presidente chinês. “Jogo de soma zero ou do tipo 'o vencedor leva tudo' não é a filosofia do povo chinês”, disse o presidente chinês. “Devemos manter-nos comprometidos com as leis e as normas internacionais, em vez de buscar cada um a própria supremacia”, acrescentou.

A China, disse ele, mantém o compromisso de partilhar suas experiências com outros países, ajudar os menos preparados para responder à pandemia e trabalhar por maior acessibilidade às vacinas contra covid-1 nos países em desenvolvimento.

O presidente chinês defendeu a expansão do trabalho da Organização Mundial da Saúde (OMS), a reforma da Organização Mundia do Comércio, a solução de diferenças por meio de consultas e o cumprimento dos pactos ambientais, citando o Acordo de Paris e a Agenda 2030. É preciso, disse também, abandonar os “preconceitos ideológicos” e respeitar as diferenças entre países. “A diferença, em si, não é causa de alarme. O que faz soar o alarme é arrogância, preconceito e ódio.”

O presidente chinês discursou na primeira sessão especial da reunião do Fórum, realizada neste ano por meio virtual. Devem participar figuras importantes da União Europeia, como a primeira-ministra alemã, Angela Merkel, o presidente francês, Emmanuel Macron, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, dirigentes de entidades multilaterais, como o FMI, políticos, ministros, acadêmicos e empresários de dezenas de países de todos os continentes, incluídos os presidentes da Argentina, Alberto Fernández, e da Colômbia, Ivan Duque.

O presidente Jair Bolsonaro participou em 2019, conseguiu usar apenas dez dos 30 minutos destinados a seu discurso, foi incapaz de responder às perguntas de Klaus Schwab e deixou de comparecer a uma entrevista coletiva marcada oficialmente. Para justificar-se dessa quebra de protocolo, acusou a imprensa de agir de forma antiprofissional. Em 2020, cancelou sua participação no Fórum, alegando, entre outros motivos, problemas de segurança.

O vice-presidente Hamilton Mourão está escalado para representar o Brasil num debate sobre Amazônia e questões ambientais. John Kerry, representante do presidente Joe Biden para assuntos de preservação climática e do meio ambiente, deverá tratar do assunto em outra sessão. Kerry foi senador, candidato à Presidência e secretário de Estado do presidente Barack Obama. O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o governador de São Paulo, João Doria, também devem participar de sessões.

O tema básico do Fórum, em 2021, é como relançar a economia e reorganizar a cooperação global a partir da experiência e dos desafios da crise gerada pela pandemia. A polarização política deve ser parte desse aprendizado. “Torna-se extremamente problemático enfrentar uma cise de saúde pública quando se está no meio de uma divisão no país”, disse o Dr. Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional dos Estados Unidos para Alergia e Doenças Infecciosas. É difícil, afirmou Fauci, imaginar quanto se prejudica a ação sanitária quando o país se divide e quando “a saúde pública se torna um assunto politicamente carregado”, isto é, “quando usar máscara se torna uma declaração política”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.