coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Xstrata fecha operações, adia projetos e eliminará 686 vagas

Piora do cenário econômico, deterioração do mercado de commodities e altos custos operacionais prejudicam

Marcílio Souza, da Agência Estado,

09 de fevereiro de 2009 | 13h04

A mineradora anglo-suíça Xstrata deverá fechar operações de mineração, adiar um projeto e cortar gastos com investimentos em suas atividades de extração de níquel em Sudbury, Canadá, como parte de uma reestruturação em resposta aos persistentes desafios do mercado. Por causa disso, 686 postos de trabalho permanentes deverão ser eliminados, uma decisão que afeta tanto funcionários sindicalizados quanto assalariados em cargos operacionais e administrativos.  As operações Craig e Thayer-Lindsley serão fechadas imediatamente, enquanto o complexo Fraser será colocado sob reparos e manutenção. O plano inicial era fechar as operações Craig em junho, enquanto Thayer-Lindsley já deveria ter sido fechada no final de janeiro.  Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise A usina Strathcona, que tem capacidade de 2,7 milhões de toneladas de níquel por ano, terá o número de turnos de trabalho reduzido de quatro para dois, como resultado da diminuição do recebimento de matéria-prima. Além disso, o projeto de mineração Fraser Morgan será adiado e passará por avaliação. O projeto, que estava a caminho de produzir 7,2 mil toneladas de níquel refinado por ano até o final deste ano, "poderá ser retomado quando as condições econômicas permitirem", disse a Xstrata.  "A contínua piora do ambiente econômico e a deterioração dos mercados de commodities, associadas com os custos operacionais elevados, principalmente em nossas minas mais velhas, estão prejudicando nossas operações em Sudbury", afirmou o executivo-chefe da divisão de níquel da Xstrata, Ian Pearce.  O contrato futuro de níquel era negociado nesta manhã em Londres a US$ 11,6 mil a tonelada, 77,6% abaixo do pico de US$ 51,8 mil por tonelada atingido em maio de 2007. O metal é insumo-chave para a fabricação de aço inoxidável.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.