Denis Balibouse/Reuters - 12/12/12
Denis Balibouse/Reuters - 12/12/12

Yahoo suspende operações na China, após entrada em vigor de novas regras para empresas de internet

Nova legislação restringe a coleta de dados por parte das empresas de tecnologia; LinkdIn já havia deixado de operar no país asiático

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de novembro de 2021 | 13h24

CINGAPURA - O Yahoo anunciou, nesta terça-feira, 2, que retirou seus serviços da China, citando o cada vez mais desafiador ambiente legal e de negócios. A empresa é a segunda grande representante do setor de tecnologia americano a tomar decisão semelhante, menos de um mês após o fechamento do site de rede social LinkedIn, da Microsoft Corp. 

"Em reconhecimento ao ambiente jurídico e de negócios cada vez mais desafiador na China, o pacote de serviços do Yahoo não estará mais acessível da China continental a partir de 1.º de novembro", disse um porta-voz do grupo. "O Yahoo continua comprometido com os direitos de nossos usuários e com uma internet livre e aberta. Agradecemos aos nossos usuários por seu apoio." 

O anúncio foi amplamente simbólico, uma vez que o Yahoo já havia começado a fechar seus principais serviços, como e-mail, notícias e serviços comunitários na China desde 2013. Ainda assim, a notícia é um lembrete dos crescentes desafios que as empresas estrangeiras enfrentam ao operar no país asiático, à medida que reguladores apertaram as rédeas da segurança de dados, privacidade e conteúdo da internet.

A retirada do Yahoo coincidiu com a implementação da Lei de Proteção de Informações Pessoais da China, uma lei de privacidade para restringir a coleta de dados por empresas de tecnologia que entrou em vigor em 1.º de novembro. O LinkedIn disse que tomou a decisão de encerrar suas operações na China após "enfrentar um ambiente operacional significativamente mais desafiador e maiores requisitos de conformidade". /DOW JONES NEWSWIRES 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.