Y&R se mantém líder no mercado publicitário

Autorizações de mídia no País atingiram R$ 77 bilhões no ano passado, aumento de 20% em relação a 2009

Marili Ribeiro, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2011 | 00h00

Como acontece desde 2002, a Young & Rubicam liderou no ano passado o ranking das maiores agências de propaganda do Brasil, com movimentação dos investimentos de clientes em mídia de R$ 5,1 bilhões, segundo levantamento do Ibope Monitor. A principal responsável por boa parte desse faturamento é a rede varejista Casas Bahia, a maior anunciante do País.

As autorizações de mídia em 2010 chegaram a R$ 77 bilhões, cerca de 20% mais que no ano anterior. Nesse volume não estão embutidos os descontos praticados pelo setor. São cálculos feitos com base nos preços de tabela dos veículos e das contratações de espaço intermediadas pelas agências. O ranking oficial com as 50 maiores agências do País em 2010 será divulgado oficialmente na segunda-feira.

Nas três primeiras posições houve só uma mudança em relação ao ano anterior - a JWT trocou de lugar com a AlmapBBDO. Com autorizações de mídia de R$ 2,089 bilhões, subiu para o segundo lugar, enquanto a AlmapBBDO ficou em terceiro, com R$ 2,082 bilhões.

Da lista das dez mais saiu a Ogilvy, que foi a quarta colocada no ranking de 2009. Essa posição agora é ocupada pela WMcCann, com movimentação de R$ 1,953 bilhão.

Outras duas que deixaram o pelotão de frente foram as agências Giovanni DraftFCB e Fischer + Fala, que caíram, respectivamente, para a 13.ª e 14.ª posições. No bloco das dez primeiras entraram as agências EuroRSCG, que aparece na quinta posição, com movimentação de R$ 1, 707 bilhão, e a Z+, em oitavo lugar, com R$ 1,656 bilhão.

O setor automobilístico foi um dos responsáveis pelo desempenho da Z+, dona da conta da coreana Hyundai, que está entre os grandes anunciantes do ano passado. Outros segmentos, como financeiro e o imobiliário, também ajudaram no crescimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.