Zapatero anuncia corte de € 1, 5 bi nos gastos em 2009

Primeiro-ministro da Espanha diz que a economia do país está recessão e que vai seguir reduzindo os gastos

Suzi Katzumata, da Agência Estado

10 de fevereiro de 2009 | 17h07

O primeiro-ministro da Espanha, José Luis Rodriguez Zapatero, disse no Parlamento que a economia do país está recessão e que seu governo vai seguir com o plano de reduzir os gastos de 2009 em € 1,5 bilhão. "Podemos dizer que a economia entrou em recessão no quarto trimestre do ano passado", disse Zapatero ao Parlamento, na sétima vez que comparece ao legislativo para discutir a economia desde a sua reeleição em março de 2008.  Veja Também:De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise Até recentemente, a Espanha era um dos motores do crescimento econômico e da criação de emprego na zona do euro. Contudo, o país sofreu uma mudança repentina no ano passado quando a eclosão da crise financeira global acelerou uma correção que já estava em andamento em sua antes animada indústria de construção de casas.  O dado desta quinta-feira do Instituto Nacional de Estatística da Espanha deverá confirmar uma contração do PIB do quarto trimestre, depois de um crescimento negativo no terceiro trimestre. Números divulgados no mês passado pela agência de estatística da União Europeia, a Eurostat, mostraram que a Espanha tinha uma taxa de desemprego de 14,4% em dezembro, quase o dobro da taxa de 8% para a zona do euro.  "Estamos no pior ponto desta crise", disse Zapatero. "O impacto da crise financeira ainda está sendo sentido... Mas ainda não sentimos o impacto do extraordinário investimento do setor público para reativar a economia e compensar a queda no emprego", disse.  O governo da Espanha agiu agressivamente para reforçar sua debilitada economia, com um esforço de estímulo fiscal no valor de € 21 bilhões, ou 2% do PIB, em 2008 e de € 31,28 bilhões, ou 3% do PIB, em 2009.  Zapatero disse que mais de 8 mil prefeituras apresentaram projetos no valor de € 8 bilhões, como parte da iniciativa do primeiro-ministro para aumentar o investimento em projetos de infraestrutura locais este ano. Ele disse que as prefeituras estimam que seus projetos vão criar 280 mil novos empregos.  O governo espanhol calcula que seus esforços de estímulo, combinado com um acentuado declínio na arrecadação, vão resultar em um déficit fiscal equivalente a 5,8% do PIB este ano. Zapatero prometeu que seu governo vai fazer um "grande esforço de austeridade" e cortar os gastos, como planejado, em 2009 em € 1,5 bilhão. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.