Zapatero diz que Espanha pode sofrer recessão em 2009

Economia estagnou no 3.º trimestre e manteve estimativa de crescimento de 1,6% neste ano e de 1% para 2009

Reuters,

19 de outubro de 2008 | 17h23

A Espanha poderá voltar a crescer no segundo semestre de 2009, mas entrará em recessão no próximo ano caso a economia mundial siga esse mesmo caminho, afirmou o presidente espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, em uma entrevista publicada neste domingo, 19. Sem mencionar a contração da quarta maior economia da zona do euro, Zapatero declarou ao jornal Público que os países desenvolvidos como a Espanha estão em crescimento trimestral negativo a ponto de estagnar.  Veja também:Especial: A cronologia da crise financeira   Dicionário da crise financeira  "Eu acredito que no segundo semestre do ano que vem já estaremos com uma atividade econômica de crescimento intertrimestral, o que não quer dizer anual, porque isso vai depender da comparação com este ano", declarou.  "Se há uma recessão global, estaremos em recessão, logicamente", acrescentou. O desemprego cresceu ao patamar mais alto na zona do euro, trazendo o fim do boom imobiliário, que coincidiu com a escassez mundial de crédito.  O governo afirma que a economia estagnou no terceiro trimestre e manteve sua estimativa de crescimento de 1,6% neste ano e de 1% para 2009, ante 3,7% em 2007. A Comissão Européia prevê que a Espanha entre em recessão no final do ano e o Fundo Monetário Internacional (FMI) projeta uma contração de 0,2 por cento em 2009. "A recuperação vai custar esforço e tempo, mas, em minha opinião, temos as bases para que o sistema recupere a normalidade com as medidas", esclareceu Zapatero ao jornal espanhol.  O presidente indicou que as condições financeiras começaram a melhorar, porém salientou que a economia estava seriamente afetada pela escassez de crédito. Ele prometeu ajudar a indústria após ter oferecido aos bancos um pacote de medidas para impulsionar a liquidez e os empréstimos. "Um banco é um negócio, não uma ONG, e o negócio do banco é emprestar dinheiro", finalizou.

Tudo o que sabemos sobre:
Espanhacrise financeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.