Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Zona do euro descarta mudança rápida do iuan

As principais autoridades econômicas da zona do euro pressionaram a China neste domingo para que o país deixe o iuan se valorizar, mas ressaltaram não estarem contando com resultados imediatos.

REUTERS

29 de novembro de 2009 | 12h52

"Eu não posso dizer que eu esteja mais otimista do que antes de vir aqui", disse o primeiro-ministro de Luxemburgo, Jean-Claude Juncker, que preside o Eurogroup, de ministros das Finanças da zona do euro, em entrevista coletiva na China.

Os comentários foram feitos um dia após conversas com autoridades chinesas, como o primeiro-ministro, Wen Jiabao.

Ele disse ainda ser difícil justificar a recente depreciação do iuan ante uma cesta de moedas, devido ao forte crescimento da China e aos superávits externos.

"As pessoas acreditam que uma apreciação gradual e ordenada do iuan é de interesse da China e de interesse da economia mundial", acrescentou Juncker.

"Não estamos defendento uma mudança imediata, dramática ou de curto prazo na política monetária da China, mas uma apreciação ordenada e gradual."

(Por Simon Rabinovitch e Chris Buckley)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROEUROPACHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.