Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Zona do euro deve ter quebra, diz especialista

O diretor de administração de fundos da Pimco em Munique, Andrew Bosomworth, advertiu aos políticos europeus que não descartem a possibilidade de um membro da zona do euro entrar em default e sugeriu a saída temporária da Grécia, Irlanda e Portugal da zona do euro.

, O Estado de S.Paulo

21 de dezembro de 2010 | 00h00

Os comentários foram feitos ao jornal alemão Die Welt. "Os políticos não podem mais fechar os olhos para a possibilidade de um default dentro da União Europeia", disse Bosomworth. "Os políticos devem construir uma união econômica e fiscal crível e sustentável", acrescentou.

"A Grécia, a Irlanda e Portugal não voltarão ao equilíbrio sem uma moeda própria ou uma elevada transferência de pagamentos", disse Bosomworth. "Não acredito que o crescimento será retomado, do modo que o FMI e a União Europeia esperam."

Segundo ele, as decisões tomadas no fim da semana passada, durante o encontro de cúpula da União Europeia, não resolveram os problemas de solvência enfrentados por alguns Estados da zona do euro. O mecanismo permanente contra a crise, que entrará em vigor em 2013, é um passo na direção correta, mas virá muito tarde, diante do fato de que a tensão no mercado deverá persistir em 2011, afirmou o estrategista.

Bosomworth diz que a Grécia, Irlanda e Portugal não conseguirão crescer e cumprir as metas de restrição orçamentária dentro do mecanismo fixo de câmbio do euro. "Eles podem vender bens no exterior mais baratos com suas próprias moedas", afirmou. "Espanha, Itália e Bélgica têm boa chance de enfrentar a crise dentro da zona do euro, mas não sem ajuda." Bosomworth defendeu que os países com maior contribuição no fundo de resgate tenham maior peso de opinião. / DOW JONES NEWSWIRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.