Zona do euro não tem acordo sobre dívida grega

Após 12 horas de negociações, credores não conseguem definir fórmula para tornar a dívida grega sustentável; nova tentativa será feita na segunda-feira

BERLIM / ATENAS, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2012 | 02h06

Os credores internacionais da Grécia não conseguiram chegar a um acordo pela segunda semana seguida para liberar a ajuda emergencial ao país e vão tentar novamente um acordo na próxima segunda-feira, mas a Alemanha deu sinais de que grandes divisões permanecem.

Os ministros de Finanças da zona do euro, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Central Europeu (BCE) não conseguiram em 12 horas de negociações durante a noite de terça-feira em Bruxelas chegar a um acordo sobre como tornar a dívida grega sustentável.

Eles querem uma solução antes de pagar a próxima parcela da ajuda, urgentemente necessária para manter o país solvente.

Várias autoridades europeias minimizaram o atraso, dizendo que os desacordos eram técnicos e que um acordo será atingido quando eles se encontrarem novamente na próxima segunda-feira, dia 26 de novembro.

Mas o ministro de Finanças da Alemanha, Wolfgang Schaeuble, afirmou a legisladores numa reunião a portas fechadas em Berlim que os credores estavam divididos sobre várias questões, incluindo como definir a sustentabilidade da dívida e preencher um buraco nas finanças gregas.

"Ele vê a extensão da meta de sustentabilidade da dívida como um dos principais motivos da discórdia. O outro é como cobrir a lacuna financeira de 14 bilhões até 2014", afirmou um dos legisladores que participou da reunião ontem com o partido de centro-direita União Democrata Cristã da chanceler Angela Merkel no Parlamento.

Novas garantias. A própria Merkel disse que a lacuna pode ser preenchida pela diminuição das taxas de juros sobre os empréstimos à Grécia e pelo aumento das garantias fornecidas ao temporário Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (Feef), no qual a Alemanha assumiria sua parcela, disse um dos participantes.

A Grécia precisa da próxima parcela de ajuda de 31 bilhões para manter o serviço da dívida e evitar a bancarrota. O próximo grande pagamento deve ocorrer em meados de dezembro.

Atenas disse que tem implementado as duras reformas exigidas no programa do resgate, mas que precisa de mais tempo para atingir as metas fiscais acertadas com seus credores porque sua economia continua encolhendo.

Os governos europeus querem dar à Grécia mais dois anos, até 2022, para cortar sua dívida para um nível sustentável, mas o FMI não concorda. Os europeus, liderados pela Alemanha, estão se recusando a aceitar perdas em qualquer empréstimo. Ambas as opções deixariam mais fácil para a Grécia atingir as metas do programa de resgate.

Um documento preparado para a reunião e visto pela Reuters declarou que a dívida grega não pode ser cortada para 120% do Produto Interno Bruto (PIB) até 2020, o nível considerado sustentável pelo FMI, a menos que os Estados-membros da zona do euro assumam perdas de uma parcela de seus empréstimos à Grécia ou que o FMI concorde em ampliar seu prazo em dois anos, para 2022.

A Grécia está irritada com os repetidos atrasos na liberação da ajuda e diz que fez o que era necessário. "A Grécia fez o que se comprometeu a fazer. Nossos parceiros, juntamente com o FMI, também precisam fazer o que eles devem fazer", afirmou o primeiro-ministro grego, Antonis Samaras, em comunicado. "Qualquer dificuldade em encontrar uma solução técnica não justifica negligência ou atrasos."

O primeiro-ministro grego vai se encontrar com o presidente do Eurogroupo, Jean-Claude Juncker, hoje em Bruxelas, e cancelou uma viagem ao Catar nesta semana para monitorar as negociações, afirmou um porta-voz do governo. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.