finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Zona do euro tem recursos para ajudar bancos da Espanha, afirma FMI

Diretora do Fundo defendeu que as autoridades espanholas estão trabalhando seriamente para resolver problemas do setor bancário 

Célia Froufe, da Agência Estado,

19 de abril de 2012 | 11h40

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, afirmou que as autoridades da Espanha estão trabalhando seriamente para resolver os problemas do setor bancário no país e que, se for preciso, existem recursos da zona do euro disponíveis.

Lagarde comentou que gostaria de ver uma mudança na estrutura dos fundos de resgate da zona do euro, para que os recursos pudessem ser direcionados diretamente para os bancos, em vez de terem de passar pelo governo espanhol, como acontece agora.

A diretora do FMI também elogiou a decisão da China de ampliar a banda diária de negociação do yuan, de 0,5% para 1%. Segundo ela, esse é um passo significativo para a internacionalização da moeda. "Não é um passo pequeno, é um passo muito bom na direção certa. E eu certamente espero que não seja o último", afirmou.

Segundo Lagarde, a China tradicionalmente procede com suas reformas de maneira gradual, e a ampliação da banda do yuan é parte de "um caminho mais longo". "No fim das contas, o que é altamente desejado é a internacionalização da moeda".

'Nuvens negras'

Lagarde afirmou esperar que os recursos do fundo sejam significativamente ampliados neste fim de semana e alertou que há "nuvens negras" no horizonte da economia global.

Os comentários de Lagarde foram feitos antes das reuniões do FMI e de ministros que deverão se concentrar no aumento dos recursos do fundo para lidar com possíveis solicitações de empréstimos emergenciais de países enfraquecidos da zona do euro e de outras regiões. O FMI afirmou que já obteve promessas de quase US$ 320 bilhões, perto da meta de US$ 400 bilhões.

Lagarde afirmou que o renovado estresse financeiro na zona do euro, o alto desemprego, a venda de ativos arriscados pelos bancos e o potencial aumento nos preços do petróleo ameaçam prejudicar a frágil recuperação da economia.

A diretora do FMI elogiou os esforços da zona do euro até agora para conter a crise de dívida da região, mas disse que as autoridades precisam implementar atenciosamente as prometidas reformas econômicas e financeiras. Lagarde afirmou que a união monetária também precisa se integrar mais para fortalecer suas defesas contra a crise. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
jurosspreadbancosMiriam Belchior

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.