Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Zona Franca tem recorde de faturamento e de empregos

A Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) está sob presidência interina de Oldemar Ianck desde 7 de outubro, quando a antecessora Flávia Grosso, que ficou no cargo durante oito anos e seis meses, pediu exoneração para se defender de acusações de improbidade administrativa. Ela e cinco diretores da Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação Tecnológica (Fucap)são suspeitos de lesar o patrimônio público e de enriquecimento ilícito por meio de convênios.

MANAUS, O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2011 | 03h07

Os números mais recentes da Zona Franca de Manaus, ainda sob a administração de Flávia Grosso, são de recordes. Foi registrado no primeiro semestre deste ano o recorde de mão de obra de 120.396 trabalhadores, entre efetivos, temporários e terceirizados.

No período de janeiro a julho, as indústrias também chegaram a um novo recorde no faturamento acumulado, alcançando US$ 23,1 bilhões, o que representou um crescimento de 24,1% na comparação com o mesmo período do ano passado (US$ 18,6 bilhões).

Lá estão instaladas as principais fabricantes de eletroeletrônicos domésticos do País.

Incentivos. Para se instalar no polo industrial de Manaus, a indústria tem muitos incentivos. O futuro investidor tem à disposição terreno a preço simbólico, com infraestrutura de captação e tratamento de água, rede de abastecimento de água, rede de telecomunicações, rede de esgoto sanitário e drenagem pluvial.

Os principais atrativos, contudo, são a isenção de impostos: redução de até 88% do Imposto de Importação (II); isenção total do Isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI); redução de 75% do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica; e isenção da contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins nas operações internas na Zona Franca de Manaus.

Também estão isentas de impostos estaduais - restituição de 55% a 100% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS - e do imposto municipal sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU), além de taxas de serviços de coleta de lixo, de limpeza pública, de conservação de vias e logradouros públicos e taxas de licença para empresas que gerarem um mínimo de 500 empregos. / L.A.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.