Zoomp se reorganiza e fecha lojas

A Zoomp, uma das maiores confecções brasileiras, está concluindo um processo de reestruturação que resultou no fechamento de diversas lojas durante o ano passado. A decisão de reduzir os pontos-de-venda foi motivada pela baixa rentabilidade de algumas lojas, retratada na perda de receita entre 2000 e 2001. O faturamento da Zoomp Confecções S.A. caiu de R$ 134,47 milhões para R$ 124,43 milhões no período. Segundo o balanço financeiro da empresa divulgado recentemente, estão sendo fechadas as lojas próprias de baixo retorno ou que davam prejuízo à rede. O objetivo, ao final do processo, é manter apenas as operações próprias nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, desde que estejam instaladas em bons pontos comerciais. Com relação às lojas franqueadas, também se optou pelo fechamento daquelas que não davam retorno e devem ser mantidas apenas as de melhor imagem. A intenção da empresa agora é concentrar os esforços nas lojas multimarcas que garantem maior retorno e o fortalecimento das marcas Zoomp e Zapping. Este canal é responsável por 53% do total das vendas. As lojas próprias vendem outros 32% e as franquias, 13%. A Zoomp ainda exporta 2% de sua produção. Atualmente a rede tem 23 lojas, 27 franquias e 1.220 unidades multimarcas. O carro-chefe das duas marcas são as calças jeans, que respondem por 37% das peças vendidas. A produção está quase completamente terceirizada. Também toda a estrutura logística, interna e externa, foi passada para as mãos de outra empresa. Até o estoque está sendo gerido desta forma. O inferno astral da Zoomp começou em 1999 e teve como causa diversos fatores, mas a principal pode ter sido a expansão de forma desorganizada. Diversos shoppings chegaram a atrair redes concorrentes, como a própria Zoomp, Forum e Ellus, num mesmo espaço, dividindo portanto a atenção dos clientes das classes A e B, para as quais as confecções trabalham. No ano passado, o faturamento da empresa recuou 7,4% em relação a 2000. As despesas operacionais também caíram, de R$ 7,35 milhões para R$ 3,16 milhões, mas o prejuízo operacional cresceu de R$ 9,19 milhões para R$ 12,51 milhões, motivado principalmente pelo aumento das despesas financeiras, que passaram de R$ 5,44 milhões para R$ 8,71 milhões. O prejuízo líquido caiu de R$ 14,91 milhões para R$ 6,40 milhões devido a uma retração muito forte das despesas não recorrentes (de R$ 6,95 milhões para R$ 540 mil), referentes à provisão de devedores duvidosos e ao estoque obsoleto.Embora a empresa informe que as vendas estejam indo bem e que os resultados da São Paulo Fashion Week, encerrada na semana passada, foram bons, as informações que correm no mercado são de que ela ainda busca apoio financeiro para continuar a bancar o negócio. Procurada pela reportagem da Agência Estado, a Zoomp não quis se manifestar.Leia mais sobre o setor de Comércio e Serviços no AE Setorial, o serviço da Agência Estado voltado para o segmento empresarial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.