Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Zuanazzi indicou ex-procurador

João Ilídio, que fez 3 pareceres sobre venda da VarigLog, já passou pela Presidência da República e hoje está na Conab

João Domingos, O Estadao de S.Paulo

19 de junho de 2008 | 00h00

João Ilídio de Lima Filho, o procurador da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que em 24 horas produziu o parecer que permitiu a venda da VarigLog para a Volo do Brasil, foi levado para a agência pelo primeiro presidente do órgão, Milton Zuanazzi. Caso Varig: entenda as denúnciasOs dois se conheceram quando Zuanazzi era secretário-executivo do Ministério do Turismo, na gestão de Walfrido dos Mares Guia, no primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Zuanazzi é homem de confiança da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff.O que chama a atenção em Ilídio é que ele conseguiu a proeza de produzir três pareceres diferentes para a venda da VarigLog para a Volo em menos de oito meses. O primeiro exigia documentos para aprovar o negócio, o segundo autorizou a venda, mas dispensando parte dos documentos exigidos no primeiro parecer, e o terceiro, antagônico ao anterior, admitiu a ilegalidade da operação.Como Zuanazzi era o homem de confiança do Palácio do Planalto, e atuava ali como se cumprisse uma tarefa, foi sobre ele que o governo fez a maior pressão para que a agência autorizasse logo a venda da VarigLog para a Volo. Essa pressão era repassada a João Ilídio.Funcionário de carreira da União há 29 anos, João Ilídio passara pelo Ministério do Turismo, Companhia Nacional de Abastecimento, Presidência da República e Ministério dos Esportes. Vinha galgando uma carreira estável, sem maiores tropeços, mas em postos de pouco destaque. A função de procurador da Anac o pôs em maior evidência.Ganhou tanta notoriedade com seus pareceres que, agora, ele quer ficar longe de qualquer holofote. João Ilídio acaba de entrar em providenciais férias na Conab, para onde voltou para exercer o cargo de superintendente de Recursos Humanos. De acordo com um amigo de João Ilídio, ele não suporta pressão. Assim, no dia 28 de abril de 2006, instruiu um ofício da Anac dizendo que, para atender aos pedidos da VarigLog, era necessário checar débitos, controle acionário e origem do dinheiro dos sócios da Volo. Em reação, os advogados da VarigLog e da Volo recorreram ao Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região.Conseguiram um mandado de segurança para derrubar os prazos de entrega dos documentos à Anac. De acordo com a ex-diretora da Anac Denise Abreu, ao longo dos 40 dias seguintes à decisão do TRF, a agência foi pressionada ao extremo pelo Palácio do Planalto e pelo advogado da Volo, Roberto Teixeira, amigo e compadre do presidente Lula, para que o negócio fosse fechado sem as exigências feitas.Menos de dois meses depois, João Ilídio mudou de idéia. Fez outro parecer. Concluiu que a declaração dos débitos com o INSS, apresentada pela Volo, era considerada suficiente. Dispensou a exigência de comprovação de débitos previdenciários ao sócio pessoa física Marco Antonio Audi. Dez dias depois, o Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea) encaminhou à Anac um recurso com pedido de reconsideração da decisão da agência.POESIA E APLAUSOSPosteriormente, o Snea muniu-se de pareceres dos juristas Marçal Justen Filho e Fábio Ulhoa Coelho para contestar a forma como a Anac havia aprovado o negócio VárigLog/Volo. De acordo com um amigo de João Ilídio, ao ver os dois contundentes pareceres, o procurador recuou, concluindo que "a tomada de decisão foi irregular". João Ilídio não gosta de confusão. Quando a diretoria da Anac caiu, ele ficou quieto. Foi procurado pela nova presidente, Solange Vieira, que pediu para ele ficar mais um pouco. Concordou. Em janeiro, Solange o chamou e disse que precisava do cargo. João Ilídio, de pronto, respondeu que já estava de saída. No dia 8 de janeiro, ele foi exonerado do cargo não por sua chefe imediata, mas pela ministra Dilma Rousseff, conforme consta do Diário Oficial da União deste dia.De volta à Conab, João Ilídio foi nomeado para a superintendência de Recursos Humanos. Continua lá. No dia 9 de maio, numa cerimônia organizada pelo dias das mães na companhia de alimentos, declamou poesia em homenagens às presentes. Foi muito aplaudido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.