Zuanazzi nega que tenha escrito e-mail de desabafo

Denise Abreu, contudo, confirmou que ouviu de Zuanazzi a existência de um texto, "um desabafo"

Isabel Sobral, da Agência Estado,

11 de junho de 2008 | 16h51

O ex-presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Milton Zuanazzi, afirmou nesta quarta-feira, 11, que o e-mail de sua autoria destinado à ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, lido pelo senador Sérgio Guerra (PSDB-PE) durante a audiência na Comissão de Infra-Estrutura do Senado foi "adulterado". Veja também:Para Virgílio, venda da Varig pode levar a nova CPISenadores batem boca sobre 'perdão' da dívida da VarigDenise diz que dossiê pretendia pressioná-la psicologicamenteDenise destaca rapidez incomum na certificação da nova Varig 'Governo arquitetou a saída dos diretores da Anac', diz DeniseTurbulências da Varig   Ao lado da ex-diretora da Anac, Denise Abreu, que confirmou ter conhecimento do e-mail de Zuanazzi para Dilma, o ex-presidente da agência afirmou que "nos termos em que foi divulgado" o "documento não existe". No texto, supostamente de autoria de Zuanazzi, o ex-presidente da Anac faz um desabafo a Dilma e ressalta que "passado o episódio da Varig (espero que sim) gostaria de fazer algumas considerações". "Obedeci sim às determinações do governo e tuas porque sou companheiro teu, do governo, e desse movimento ao qual me filiei contigo e a `turma da alpargata' desde minha juventude. Obedeci e obedecerei." Ao falar sobre a Varig, Zuanazzi teria escrito que "o governo havia abandonado totalmente o caso Varig desde a entrada da empresa na recuperação judicial". E segue: "Fui eu que defendi pela 1ª vez que deveríamos montar uma saída com o judiciário. Naquela reunião tu reagiste com rispidez e censura ao dizer que o governo não vai se submeter à decisão de um Juiz de quinta..." "Me nego a falar de um documento apócrifo, que nunca existiu", assegurou Zuanazzi no Senado, afirmando que "Brasília virou uma espécie de paraíso da Arapongagem" e que enquanto esteve à frente da Anac teve gabinete arrombado, "vasos sanitários tirados do lugar, assim como grades do ar-condicionado". "Não vou dar guarida a algo que não conheço", repetiu, ao ser novamente indagado sobre a existência do e-mail. Denise confirmou que ouviu de Zuanazzi a existência de um texto, "um desabafo". Segundo ela, ao ver que o documento estava na Intranet da Anac, levou o e-mail ao presidente, que afirmou ter digitado um texto em seu laptop. "Ele disse que o laptop tinha dado problema e que foi levado para a informática", afirmou Denise, acrescentando que por essa razão, acreditava ele, o texto teria vazado. "Ele (Zuanazzi) não negou a existência do texto, mas também não falou se havia sido modificado. Ele disse que não chegou a enviar o e-mail, que era um texto de desabafo", afirmou Denise. Sentado duas cadeiras depois, Zuanazzi ouviu a resposta da ex-colega de Anac calado. Zuanazzi foi convocado pelo presidente da Comissão de Infra-Estrutura do Senado, senador Marconi Perillo (PSDB-GO), para esclarecer o e-mail lido por Sérgio Guerra (PSDB-PE) durante audiência com a ex-diretora da Anac Denise Abreu. Ela depõe sobre as denúncias de envolvimento do governo na venda da Varig, feitas ao Estado no dia 4 de junho (leia aqui).    

Tudo o que sabemos sobre:
VarigDenise Abreu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.