Zylbersztajn alerta contra perdas da Petrobras

O ex-diretor da Agência Nacional do Petróleo (ANP), David Zylbersztajn, alerta para a necessidade de uma atualização dos preços dos derivados de petróleo pela Petrobras e aponta os riscos de a estatal manter as cotações artificialmente defasadas. "Nós estamos com os preços abaixo (dos valores internacionais), o que é uma atitude perigosa da Petrobras", opinou Zylbersztajn durante entrevista ao Conta Corrente, da Globo News. "Para poder atrair investimentos o ideal é que, se subir o preço, a Petrobrás acompanha; e se ele cair, cai o preço também. Hoje a Petrobras está perdendo quantias expressivas de dinheiro e de capacidade de investimento."O consultor sustenta que é necessário manter a transparência nesse mercado para atrair a concorrência para o mercado interno. "Hoje nós estamos vivendo uma situação de dumping, com preços abaixo do que deveriam ser cobrados", salientou. "Então não se tem condições de fazer com que alguém se implante aqui, o que torna mais agudo o monopólio da Petrobras." Entretanto, ele acredita que a onda especulativa que elevou o barril de petróleo a quase US$ 43 não terá como se sustentar por muito tempo. "Esse preço tem muito mais a expectativa da especulação do que uma realidade entre a oferta e a demanda, que é o que acabará prevalecendo."Nova crise do petróleo não afetaria o BrasilO Brasil não sofrerá tanto com uma eventual crise de abastecimento no mercado internacional por ser praticamente auto-suficiente do produto, sustenta o ex-diretor da ANP. "O Brasil tem uma posição singular em relação ao resto do mundo: um país em desenvolvimento, com uma base de industrialização importante, mas que é praticamente auto-suficiente em petróleo", afirmou ao Conta Corrente. "A Crise em termos de disponibilidade do produto não nos afeta. No setor de petróleo o Brasil já atingiu um patamar muito confortável. Se houver um choque, o que eu não acredito, o Brasil vai estar numa posição muito confortável, muito diferente de há 30 anos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.