Zylbersztajn descarta entrada do BNDES na gestão da Varig

O presidente do Conselho de Administração da Varig, David Zylbersztajn, negou que esteja articulando a formação de um fundo para ser gerido pela BNDESpar. O executivo confirmou a intenção de formar um fundo que seria mobilizado pela Transportes Aéreos Portugueses (TAP) para concluir as negociações de reestruturação da Varig. "Não tem BNDES", disse Zylbersztajn. "Essa é uma proposta do passado e hoje se considera a possibilidade de um fundo", explicou.Segundo ele, a TAP está buscando parceiros para a formação desse fundo, de modo a ampliar os investimentos a serem feitos na Varig, já que a participação da companhia portuguesa, por lei, está limitada a 20% do capital social da empresa brasileira.Zylbersztajn esteve hoje com o vice-presidente da República e ministro da Defesa, José Alencar, para fazer um relato das negociações encaminhadas até agora para a recuperação da empresa. O executivo estima que dentro de três semanas a TAP terá uma proposta que incluirá esses novos parceiros, quando então será discutida a assinatura dos contratos.DívidasAlencar afirmou que está entusiasmado com o andamento das negociações da Varig, mas negou que tenha havido qualquer discussão sobre as dívidas da companhia aérea com o governo. Ele não quis falar sobre a possibilidade de um encontro de contas da empresa com o governo.Quanto às dívidas da empresa com as estatais, como a Petrobras e a Infraero, Alencar disse que os acordos "devem ser feitas diretamente com as empresas". Na avaliação do ministro, o mais importante nessa negociação foi a credibilidade da empresa ao acertar a reestruturação, com a participação da TAP. "Nós queremos que quem for operar a Varig continue merecendo a concessão. E tudo indica que isso vai ocorrer", afirmou Alencar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.