Auditoria e conselho de administração com um só idioma

É preciso que a auditoria interna, além de guardiã da governança, seja proativa na geração de valor, por meio da interação e contribuição com as demais partes da organização

Rene Andrich*, O Estado de S.Paulo

09 de janeiro de 2019 | 15h37

A auditoria interna é peça fundamental para o fortalecimento das estruturas de governança das organizações. Embora ela seja indispensável para a proteção e adição de valor nas organizações, contribuindo para que essa alcance seus objetivos estratégicos e melhore a eficácia do gerenciamento de riscos, controles internos e governança, ainda há pouco entendimento sobre suas reais responsabilidades.

Trata-se de um tema explorado na comunidade de auditores, contudo, pouco discutido externamente. A falta de compreensão por parte do conselho de administração em relação a atuação da auditoria interna, pode impedir que esse extraia o máximo desta função, que desempenha importante papel de guardiã da governança, sendo um ponto de apoio imprescindível aos responsáveis pela gestão da organização.

Esse inesperado e involuntário distanciamento foi objeto de debate por diversos executivos de auditoria interna, membros de conselho de administração e de comitês de auditoria, ao longo de 2018. Eles estiveram envolvidos na produção do conteúdo técnico "Auditoria Interna – Aspectos essenciais para o conselho de administração", realizado pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), em parceira com o Instituto dos Auditores Internos do Brasil (IIA Brasil).

Durante o processo de produção deste conteúdo, percebeu-se que há muito mais clareza quanto a atuação dos auditores externos do que com as ações e resultados gerados pelos internos. As razões são diversas, mas há de se destacar o fato de que no passado, revisão das demonstrações financeiras era o principal tópico da agenda de conselheiros ou comitês de auditoria. Com o passar dos anos, esta agenda cresceu, e hoje temas como gerenciamento de riscos, controles internos, conformidade, canal de denúncias e investigação, tomaram proporções nunca antes observadas.

A auditoria interna passou a desempenhar importante papel nesse apoio ao conselho, tendo agora, mais do que nunca, o papel de se apresentar como parceira do negócio, sem, contudo, nunca perder sua independência e atitude imparcial. Tem agora a missão de apresentar insights constantes ao conselho, que por sua vez, deve ter clareza quanto ao valor que a auditoria interna pode oferecer a organização.

É fundamental mostrar que a auditoria, além de guardiã da governança, não pode mais apenas atuar como uma protetora dos valores da organização. Ela deve também ser proativa na geração de valor, por meio da interação e contribuição com as demais partes interessadas da organização, como a diretoria executiva, órgãos de riscos, controles internos, governança, conselho fiscal, auditoria externa e com órgãos reguladores.

Nada disso será possível sem qualificação. O mercado hoje tem exigido um processo de inovação constante, postura sustentável, ética e uso de tecnologia de ponta. A auditoria que não acompanhar este processo não estará cumprindo sua função. A preocupação com capacitação deve ser prioridade.

Hoje há muita oportunidade de desenvolvimento para auditores, incluindo processos de certificações internacionais e processos de revisão de qualidade da função de auditoria interna. As estatísticas são preocupantes. Em um universo global de quase 150 mil certificações CIA (Certified Internal Auditor), menos de 1% está na América do Sul e Central, com apenas cerca de 300 no Brasil. O conselho deve estar ciente dessa necessidade, oferecendo oportunidades de desenvolvimento, colocando este tópico entre os objetivos dos auditores e avaliando sua evolução.

As diretrizes que garantem a independência e atitude imparcial de um auditor interno é algo que deve ser chancelado constantemente pelo conselho de administração.

Contudo, nada se alcançará sem que o conselho e o próprio auditor tenham plena consciência da necessidade de desenvolvimento contínuo e transparência na relação entre eles. O auditor tem que estar cada vez mais próximo ao negócio e atuar verdadeiramente como um “assessor de confiança” sempre de forma independente e ética.

*PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO INSTITUTO DOS AUDITORES INTERNOS DO BRASIL

Mais conteúdo sobre:
governança corporativa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.