Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Depois de 27 anos, Raul Calfat deixa o grupo Votorantim

Saída do executivo foi oficializada na terça-feira após reunião do conselho; Eduardo Vassimon, ex-Itaú BBA, assume posto

Mônica Scaramuzzo, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2019 | 04h00

Após 27 anos no grupo Votorantim, Raul Calfat vai deixar, no fim de abril, a presidência do conselho de administração do conglomerado, que pertence à família Ermírio de Moraes. O executivo Eduardo Mazzilli de Vassimon, que estava no comando do Itaú BBA até o fim do ano passado, assumirá o posto.

Braço direito dos Ermírio de Moraes, Calfat já estava negociando sua saída com os acionistas nos últimos meses. A sucessão foi oficializada na terça-feira, 26, após a reunião do conselho de administração da companhia.

O processo de transição ocorrerá nas próximas semanas – Vassimon assumirá a presidência do conselho a partir do dia 1º de maio.

Trajetória

Calfat estava desde 1992 no grupo, com a aquisição Papel Simão pelo conglomerado. De lá para cá, participou ativamente das decisões estratégicas e de expansão do grupo, que atua em diversas áreas – de cimento à energia. Ele esteve à frente da formação da VCP (Votorantim Celulose e Papel) e da criação da Fibria, incorporada no ano passado pela Suzano. De 2005 a 2014 foi responsável pela estruturação da holding da Votorantim. Desde 2014, estava à frente do colegiado.

“Encerro esse ciclo com a empresa tendo atingido uma estrutura de capital adequada, resultados ascendentes e um futuro brilhante”, disse Calfat, por meio de comunicado. Calfat seguirá como presidente do conselho de administração do Laboratórios Aché e membro dos conselhos da Duratex, da Embraer e do Hospital Sírio Libanês.

Fazem parte do conselho de administração do grupo Votorantim os herdeiros da família: Luís Ermírio De Moraes (vice-presidente), Cláudio Ermírio De Moraes e José Roberto Ermírio De Moraes (membros efetivos). Oscar De Paula Bernardes Neto, Marcelo Lopes de Medeiros e Pedro Wongtschowski são membros independentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.