Gol pode captar até R$ 70 bi

Companhia planeja reestruturação societária com o objetivo de aumentar capital

LUCIANA COLLET , O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2015 | 02h05

A mudança na estrutura acionária da Gol, que, se aprovada pelos acionistas minoritários, aumentará significativamente o número de ações ordinárias da companhia e permitirá novas emissões de ações preferenciais, dá à aérea um potencial de capitalização de R$ 70 bilhões, disse o presidente da companhia, Paulo Kakinoff. O cálculo leva em conta o preço das ações de anteontem, disse o executivo. Ele salientou, porém, que a companhia está com caixa confortável e que não há perspectiva de emissão no curto prazo. "Nem o mercado é favorável, e nem há necessidade para a companhia."

Kakinoff explicou que a atual estrutura de capital era motivo de desconforto para a companhia há algum tempo e a proposta anunciada ontem é resultado de muitos meses de trabalho. Com um número quase equivalente de ações ON e PN e as limitações impostas pela Lei das SA e pelo Código Brasileiro de Aeronáutica, a companhia praticamente não tinha como participar de eventuais oportunidades de capitalização.

Segundo o executivo, não existem discussões com acionistas estratégicos da companhia, como a Delta Airlines e a Air France KLM, para qualquer operação de capitalização.

Para os analistas do Credit Suisse, Bruno Savaris e Felipe Vinagre, a proposta de nova estrutura acionária pode criar uma pressão negativa sobre as ações da Gol. Eles salientaram, no entanto, que o processo de aprovação deve ser "amigável".

Tudo o que sabemos sobre:
governançaGol Linhas aéreas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.